Ribeirão registra primeiras mortes por covid fora da rede hospitalar

Para especialista, situação pode indicar problemas de gestão; mortes ocorreram semana passada

Ribeirão Preto confirmou, nesta segunda-feira, mais dois óbitos causados por covid-19 na cidade. Os casos ocorreram na quinta e na sexta-feira passadas e tiveram como vítimas um homem de 68 anos e uma mulher de 58. Em ambos os casos, eles eram portadores de comorbidades. Ambas as mortes ocorreram na residência das vítimas. O total de óbitos em Ribeirão chegou a 15.

A mulher tinha diabetes e, o homem, chegou a procurar o atendimento da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), mas teve o atendimento recusado. Ele era portador de diabetes e doença cardiovascular. “Minha mãe levou ele na UPA e ninguém fez exame nele, disse que ele estava bem e podia ir pra casa. Agora que ele morreu, a suspeita é de Covid e ninguém pode fazer nada”, disse a jornalista Renata Carvalho, sobrinha da vítima.

Além das duas novas mortes, a cidade registrou, ainda, 521 casos confirmados, 1356 descartados e 2185 notificados.

Análise

A morte do homem de 68 anos não é, entretanto, o primeiro caso envolvendo falta de atendimento por portadores do covid na cidade. Matéria do Grupo Thathi de Comunicação mostrou que uma andarilha portadora de covid-19 foi liberada pela UPA mesmo tendo testado positivo para a doença.

O especialista em gestão de saúde Alexandre Ferreira informou que a situação pode representar um grave problema, na medida em que os protocolos para o atendimento dos pacientes com covid-19 podem não estar funcionando adequadamente. “Essas pessoas foram liberadas para casa, passaram por atendimentos e acabaram morrendo em casa. Isso é um problema”, conta.

Procurada, a prefeitura informou que, no caso do homem de 68 anos, o protocolo de atendimento, na ocasião, era liberar os pacientes com sintomas leves, o que era o caso. A prefeitura informou que o protocolo já foi modificado. No caso da andarilha, a prefeitura informou que “a munícipe não procurou os equipamentos de acolhimento oferecidos pela Pasta e se recusou a ser internada na UPA, que prestou todo o atendimento necessário à ela e seu companheiro” e que “as equipes de abordagem da Semas estão tentando localizá-la para sensibilizá-la sobre a importância de fazer o isolamento social neste momento. Em relação ao ofício, a Pasta informa que irá responder”.