Após matéria da Thathi, Ministério Público abre inquérito para apurar responsabilidade de torcidas em ataque

Promotoria disse que aguarda informações da Polícia Militar para dar seguimento às investigações; caso comprovado, agremiações podem responder criminal e administrativamente

Confusão foi registrada por câmeras de segurança da região Foto: Reprodução

Após a Thathi publicar  matéria que denuncia uma briga generalizada entre torcidas organizadas, o Ministério Público disse que abriu um inquérito para apurar a responsabilidade da Mancha Alvinegra, do Comercial, e da Jovem Ponte, do Ponte Preta, no ataque à sede da Fiel Força Tricolor (FFT), do Botafogo, na noite da última terça-feira (21). 

Caso fique comprovada a participação de membros das duas torcidas organizadas na ação, as agremiações poderão responder no âmbito administrativo e criminal, contou o Promotor de Justiça, Paulo José Freire Teotônio. “Estou aguardando o relatório da Polícia Militar, a pedido da Procuradoria Geral de Justiça. Já conversei com o responsável e tomarei providências criminais e administrativas”, relatou. 

A confusão ocorreu após o primeiro come-fogo, depois de sete anos de espera. No início da noite de terça, integrantes das torcidas organizadas Mancha Alvinegra, do Comercial, e Jovem Ponte, da Ponte Preta, tentaram invadir a sede da Fiel Força Tricolor (FFT), do Botafogo, na rua Gonçalves Dias, no bairro Vila Tibério.

De acordo com testemunhas que estiveram no local, cerca de 40 integrantes da Mancha e da Jovem, torcidas aliadas, chegaram em uma van na sede da torcida do Pantera, onde pelo menos 20 pessoas estavam reunidas. 

Armados com barras de ferro, as torcidas invasoras tentaram forçar a passagem para dentro da sede da FFT. Uma parte dos torcedores do Bota saiu em defesa do local e uma briga generalizada começou. Confira: 

Outro lado 

Em nota, publicada na noite da última quarta-feira (22), a torcida Mancha Alvinegra, do Comercial, afirmou que, embora as imagens mostrem pessoas com a camisa da agremiação durante o ataque à sede da torcida do Botafogo, a entidade não teve participação no evento. A agremiação usou as redes sociais ainda para acusar a reportagem da Thathi de veicular falsas acusações

A Mancha afirmou também que a diretoria pretende aplicar todas as medidas cabíveis aos integrantes que tiverem a participação no ato confirmada.

“Esperamos que as apurações sejam feitas com a devida responsabilidade e não com o depoimento de pessoas que não se identificam. Estamos à total disposição da lei para qualquer investigação”, informou a torcida.

Também em nota, a diretoria da Fiel Força Tricolor (FFT), do Botafogo, disse que não vai se pronunciar sobre o caso.

Nenhuma postagem para exibir