Transexual é morta a facadas na Vila Tibério, em Ribeirão; polícia investiga possível ação de serial killer

Vítima, conhecida como Milena Massafera, foi encontrada por familiares na noite deste sábado (8) com múltiplas marcas de facada pelo corpo; caso é o segundo em menos de 24h

Foto: Arquivo Pessoal

A Polícia Militar (PM) encontrou o corpo da transexual Milena Massafera, na noite deste sábado (10), com várias marcas de facadas em uma kitnet localizada na rua Coronel Luiz da Cunha, na Vila Tibério, na zona Oeste de Ribeirão Preto. Esse é o segundo caso de trasvestis e transexuais mortas durante programas somente nesta semana, a polícia trabalha com a possibilidade de que há ligação entre as mortes.

O presidente da ONG Arco Íris de Ribeirão Preto, Fábio de Jesus, está pedindo ampla investigação da Polícia Civil nas mortes de duas travestis, pois acredita que há uma ligação entre os dois casos. “As duas travestis foram mortas com grande violência. Marcas pelo corpo inteiro, incluindo os pés, o que indica ação de ódio pensada para assassinar travestis. Como LGBT, eu também temo por minha vida. Isso não pode continuar”, disse.

Segundo informações da PM, familiares da vítima, cujo nome civil é Antônio Carlos da Silva Vieira, acionaram a polícia após encontrarem seu corpo no apartamento onde morava. 

De acordo com a família, amigos de Milena haviam ligado para dizer que não estavam conseguindo falar com a transexual. Rapidamente os familiares foram até o local e com o auxílio de um chaveiro particular conseguiram ter acesso ao imóvel e localizar a vítima que estava no chão coberto por sangue. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), foi acionado e a morte foi constatada no local. 

Esse é o segundo caso de morte de transexuais e travestis em menos de 24h. O primeiro foi identificado na manhã da última sexta-feira (9), no Parque Industrial Avelino Alves Palma, na zona Norte de Ribeirão Preto. A vítima era a travesti Márcia Marcita, de 48 anos, que teve seu corpo encontrado por um amigo em seu apartamento com várias marcas de agressão. A causa da morte não foi identificada e o caso segue sendo investigado pela Polícia Civil.

Investigação 

Uma testemunha contou à Polícia Militar que o último contato de Milena foi na noite da última sexta-feira (9), quando atendeu um cliente no seu apartamento. Desde então, não deu mais notícias. 

A Polícia Científica foi acionada e durante a perícia no local do crime, constatou que a vítima foi morta com diversos golpes pelo corpo, feitos por uma faca. Tendo perfurações na região do pescoço, tórax, pernas e costas. 

Durante a perícia, os policiais encontraram marcas de pegadas grandes, e constataram que após o crime o assassino teria se lavado na pia do banheiro, antes de ir embora. No imóvel para em um estudo mais aprofundado foram coletados tufos de cabelo, amostras de sangue e uma toalha de rosto impregnada de sangue que estava no banheiro. O celular da vítima não foi localizado pelos peritos durante a perícia no imóvel. 

Após o término da perícia, o corpo foi transferido para o Centro de Medicina Legal ( CEMEL) e o caso foi registrado na Central de Polícia Judiciária (CPJ). As investigações ficaram por conta da 3ª Delegacia de Homicídios / DEIC do Deinter 3.

Luto 

Nas redes sociais, familiares e amigos de Milena Massafera se despedem com mensagens de carinho e tristeza. “Sem acreditar nesta barbaridade, a nossa ‘Indinha’ que falta você vai fazer”, disse Cassiano Nascimento. 

“A gente sempre brincava e tirava sarro, ela era muito bacana”, disse um conhecido que não quis se identificar, em entrevista ao Grupo Thathi, “independente da opção sexual, é uma vida. Nós temos que respeitar o próximo seja qual for a forma como ele se porta, não podemos deixar este tipo de coisa acontecer”.

Nenhuma postagem para exibir