Laudo confirma esquizofrenia em homem que matou mulher facadas em praça na zona Sul

Mulher levou 12 facadas depois de desejar bom dia ao agressor; ele confirmou que também utilizava drogas

O laudo médico pericial do Eduardo Liboni Sella, 36, que esfaqueou e matou uma mulher de 65 anos depois que esta lhe desejou bom dia, em uma praça na zona Sul de Ribeirão Preto, confirmou o diagnosticado de esquizofrenia. Ainda segundo o documento, ele não tinha consciência dos atos e pode ser considerado inimputável no momento da ação. 

O documento indicou ainda que Sella era dependente químico e que usava maconha e álcool com frequência. “Nos seus delírios, essas pessoas que lhe perseguiam lhe diziam várias coisas na rua, inclusive bom dia. sendo que a vítima, ao cumprimentar o réu com bom dia, estava lhe ameaçando e sua reação foi golpeá-la”, aponta o documento, que foi juntado no processo que analisa o caso.

O promotor Marcus Tulio Nicolino afirmou que o resultado do laudo indica que Eduardo deverá ser inimputável, ou seja, não vai a juri. Sendo internado em uma clinica psiquiátrica, conforme resolução do Ministério Público de São Paulo.

Agora, a questão será analisada pelo juiz do caso, que pode decidir acatar ou não a recomendação dos peritos. 

O crime

O crime aconteceu no dia 4 de janeiro, na Praça da Bicicleta, zona Sul da cidade. Eduardo Liboni Sella esfaqueou e matou Ana Silvia de Almeida, 65, logo após a mulher ter cumprimentado o agressor com “Bom dia”.

No laudo, Sella relatou, ainda, que resolveu esfaquear a mulher depois de ela o ter cumprimentado. Ele informou que acreditava que estava sendo perseguido e que chegou a registrar uma série de boletins de ocorrência denunciando a suposta perseguição.

A idosa foi socorrida com múltiplos ferimentos, passou por duas cirurgias, mas não resistiu e veio a óbito.

Colaborou Gabriela Furlanetto