Justiça torna réu o sujeito que matou a ex-namorada após festa da família em Santa Rosa de Viterbo

O assassino teve a prisão preventiva decretada, mas foi internado compulsoriamente em um hospital psiquiátrico de Ribeirão Preto

A vítima e o feminicida/rede social

A Justiça tornou réu o sujeito Rafael Aparecido Augusto, acusado de matar a ex-namorada asfixiada após uma festa da família em Santa Rosa de Viterbo, cidade localizada na região metropolitana de Ribeirão Preto. 

Rafael teve a prisão preventiva decretada dois dias após o crime, porém foi internado compulsoriamente em um hospital psiquiátrico de Ribeirão Preto. O advogado Alexandro Faleiros, que atua na defesa do acusado, afirmou ao G1 que os laudos médicos de clínicas particulares de psiquiatria e do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) atestam a insanidade mental do réu.

“Ele vinha sofrendo de estado agravado de psicose e a internação tinha que ser imediata, porque a inclinação suicida dele era gritante, segundo os médicos. Ele foi internado cautelarmente, porque poderia colocar em risco a própria vida e a de companheiros de cela”, diz.

Histórico

O crime aconteceu na noite do dia 23 de agosto, quando Marília retornou para casa após um fim de semana de festa no sítio da família. Rafael chegou a passar uma noite no local, mas a vítima pediu que ele fosse embora. De acordo com a Polícia Civil, a vítima de 37 anos foi surpreendida pelo ex-namorado, que invadiu a sua residência e a matou.

Após o crime, o assassino relatou o feminicídio com amigos de um grupo no whatsapp, fugindo em seguida. De acordo com o delegado Gabriel Freiria Neves, em depoimento, Rafael, que foi encontrado em uma área de mata na zona rural de Santa Rosa, confessou o crime e disse que tentou se matar em seguida com um fio.

Marília era mãe de três filhas e avó de uma criança. Rafael responde por homicídio qualificado – feminicídio, asfixia, motivo torpe e ato que impossibilitou a defesa da vítima, podendo pegar 30 anos de prisão.

Nenhuma postagem para exibir