Família confirma que ossada achada é de Rafaela, que estava desaparecida há quase um mês

A jovem de 33 anos desapareceu nas proximidades da Avenida Brasil na noite do dia 24 de novembro

Rafaela de Jesus Moraes foi vista pela última vez na terça-feira (23)

A ossada encontrada próxima do condomínio do Portal dos Ipês na última segunda-feira (13), teve sua identidade confirmada nessa segunda-feira (20).

Os restos mortais pertencem a Rafaela Jesus de Moraes, de 33 anos, uma garota de programa que desapareceu no dia 24 de novembro. A informação foi confirmada pelos familiares da vítima.

Ainda de acordo com os familiares, ainda não há previsão para o sepultamento, uma vez que os restos mortais ainda não foram liberados pelo IML (Instituto Médico Legal).

A investigação ficou a cargo da Polícia Civil, que busca identificar os motivos e suspeitos do crime. Rafaela deixa um bebê de quatro meses que está atualmente sob os cuidados da irmã.

Quaisquer novas informações podem ser reportadas a Polícia Militar pelo 190 ou por meio de denúncia anônima no 181.

O desaparecimento

A jovem de 33 anos desapareceu nas proximidades da Avenida Brasil na noite do último dia 24, quando saiu para fazer ponto. A família realizou um boletim de ocorrência no dia seguinte ao desaparecimento, mas seguiu sem respostas.

Ainda de acordo com o boletim, a moça teria falado pela última vez com uma amiga, onde ela teria dito que estava no aguardo de um moto táxi para ir embora.

A ossada

Uma ossada foi localizada na noite da segunda-feira (13) em um canavial nas proximidades do Portal dos Ipês, zona Leste de Ribeirão Preto. Os restos mortais foram vistos por uma pessoa que passava pelo local e fez uma denúncia anônima para Polícia Militar.

O delegado Rodrigo Patto, da Polícia Civil, suspeitou que os ossos foram incinerados. Na época, a vítima parecia ter estatura baixa, o que acabou deixando difícil a confirmação se os restos mortais pertenciam a um adulto, criança ou adolescente. Patto havia comentado que a ossada seria levada para o IML. Para tentar levantar o DNA da vítima.

A autoridade policial disse ainda que a morte da pessoa teria acontecido há pelo menos 20 dias. Nas proximidades dos ossos foram encontradas peças de roupas com detalhes femininos e uma garrafa de aguardente.

A cena do provável crime foi periciada. A ocorrência estava sendo investigada pelo setor de homicídios da Delegacia de Investigações Gerais (DIG).

Nenhuma postagem para exibir