Veja o vídeo | Sem sinalização, cruzamento o Irajá registra acidentes em série

Em um dos casos, carro capotou depois de acidente; Código de Trânsito diz que via não poderia ser liberada sem sinalização

Moradores do Jardim Irajá fecharam uma rua, por aproximadamente duas horas, com galhos, depois do capotamento no cruzamento das Cavalheiro Torquato Rizzi com João Gomes da Rocha. O local foi recapeado na segunda-feira e, desde então, as ruas ficaram sem a sinalização de solo. A Transerp não se pronunciou sobre o caso. A rua foi liberada por volta das 13h30.

Continua depois da publicidade

O capotamento aconteceu no início da tarde desta terça-feira (3). O veículo avançou o cruzamento e, ao perceber que haveria uma colisão, acabou desviando o carro. Ele perdeu batendo em outro veículo, perdeu o controle do carro e acabou capotando. Nenhum dos motoristas teve ferimentos graves.

Não foi, entretanto, o único acidente no local. Na noite de segunda-feira (2), a reportagem do Grupo Thathi de Comunicação flagrou outro acidente, no mesmo local (veja vídeo abaixo).

“Depois que arrumaram a rua, ficou um inferno. Não entendo porque a prefeitura não faz tudo de uma vez. Já teve três acidentes sérios aqui depois que recapeou. E ninguém faz nada”, disse Rodrigo Falguetti, que mora na região.

Contra a lei

A reportagem ouviu o advogado Adhemar Padrão, especialista em direito de trânsito. Segundo ele, o Código de Trânsito Brasileiro estipula que é dever das autoridades de trânsito, de acordo com seu artigo 88.

O código estipula que “nenhuma via pavimentada poderá ser entregue após sua construção, ou reaberta ao trânsito após a realização de obras ou de manutenção, enquanto não estiver devidamente sinalizada, vertical e horizontalmente, de forma a garantir as condições adequadas de segurança na circulação”.

Segundo ele, qualquer vítima de acidente pode entrar com ação de indenização contra a prefeitura. “o erro gera uma responsabilidade objetivo. Nem cabe discussão de culpa, já que a prefeitura não cumpriu seu papel”, disse.

Outro lado

Procurado, o promotor Wanderley Trindade, que cuida do caso, informou que irá verificar os acidentes e que estuda as providências a serem tomadas.

Já Transep não se manifestou sobre o assunto até o fechamento da matéria.  A Secretaria de Obras Públicas, entretanto, informou que irá solicitar que a empresa responsável pelo recapeamento do referido cruzamento execute o serviço de sinalização horizontal.

Mais casos

Não é a primeira vez que Ribeirão Preto tem acidentes por falta de sinalização depois do recapeamento das ruas. Em julho deste ano, o cruzamento das ruas Conselheiro Saraiva com a Santos Dumont, na Vila Tibério, registrou três colisões em uma semana depois do recapeamento.

Ainda na zona Oeste, a esquina das ruas Piauí e Santa Catarina, no Sumarezinho, registrou seis acidentes envolvendo veículos em cinco dias. O local foi recapeado e ficou duas semanas sem sinalização de solo.