Força-tarefa fecha 35 bares e manda três para a delegacia durante Carnaval em RP

Bares tiveram irregularidades como desrespeito ao Plano São Paulo e aglomeração; trabalho deve continuar após festejos de Momo

Momento em que as autoridades chegam na festa no Centro - Foto: Rede social
Continua depois da publicidade

Pelo menos 35 estabelecimentos comerciais, em especial bares, foram fechados em Ribeirão Preto por infrações como desrespeito às regras do Plano São Paulo e aglomeração de pessoas na cidade durante os primeiros dias do carnaval. Houve, ainda, três donos de bares presos na cidade.

A operação é realizada pela Fiscalização Geral da Prefeitura de Ribeirão Preto, em parceria com a Polícia Militar, Ministério Público do Estado de São Paulo, Secretaria Estadual da Saúde, Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde e Guarda Civil Metropolitana, e atua com estrutura de plantão durante o Carnaval para coibir a realização de eventos clandestinos com aglomerações na cidade.

Segundo o promotor do Ministério Público Wanderley Trindade, a força-tarefa realizou, no total, 188 inspeções na cidade. “O trabalho começou em 12 de fevereiro e já fizemos 188 inspeções, 35 autuações e três detenções com base no cometimento de crimes contra saúde pública. Essas pessoas serão processadas e a pena é de detenção de um mês a um ano”, disse Trindade.

Trindade ainda informou que a operação não deve terminar com o fim do Carnaval e que as denúncias podem ser feitas por meio do 190, da Polícia Militar, e também pelo 153, canal da Guarda Civil Metropolitana.

Lacrado e preso

Numa dessas festas, direcionada a idosos e realizada no Centro, havia mais de 300 pessoas no momento da chegada da força-tarefa ao local, na Álvares Cabral. Os responsáveis foram levados até a central de flagrantes e devem ser investigados por crime contra a saúde pública, além de serem alvos de uma ação civil pública para cobrança de dano moral coletivo. O local também corre o risco de ter o alvará cassado.

Outro dos homens presos acabou detido no sábado (13). Ele é dono de um bar na Avenida Luiz Eduardo Toledo Prado, na Vila do Golfe, e foi levado até a delegacia para prestar esclarecimentos após as autoridades constatarem aglomeração e falta de uso das máscaras pelos clientes do local.

“Além dos flagrantes realizados, é importante lembrar que várias festas que aconteceria e que foram divulgadas pelas redes sociais, foram canceladas após a repercussão do trabalho conjunto das fiscalizações”, afirmou a prefeitura da cidade, em nota.

Nenhuma postagem para exibir