Investigada na Operação Loki receberá R$ 9,2 milhões para cuidar do lixo em Sertãozinho

De Orlândia, empresa é uma das investigadas em esquema que fraudava licitações na região

Continua depois da publicidade

Envolvida na Operação Loki, deflagrada hoje pela Polícia Civil, a empresa Terra Plana Locação e Serviços, com sede em Orlândia, iniciou hoje o serviço de coleta de resíduos sólidos e lixo em Sertãozinho. A empresa irá receber, por ano, R$ 9,2 milhões pelo serviço, conseguido através de licitação pública.

Além desse serviço, a empresa venceu uma outra licitação, neste ano, para serviço de higienização de prédios municipais, no valor de R$ 2,3 milhões. Já recebeu, ainda, neste ano, mais de R$ 2,5 milhões da prefeitura de Sertãozinho por serviços prestados em outros contratos.

Operação Loki

Na manhã desta segunda-feira (16), o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO ), deflagrou a Operação Loki, visando desarticular extensa organização criminosa, formada por servidores públicos e empresários, responsável por fraudar inúmeras licitações da Prefeitura Municipal de Orlândia.

Foram 115 mandados de busca e apreensão cumpridos em 11 cidades. O Gaeco informou que a investigação identificou fraudes em ao menos 23 licitações e superfaturamento de contratos que somam R$ 14 milhões na Prefeitura de Orlândia.

A Terra Plana é uma das empresas que detinham contratos com a prefeitura de Orlândia e que estão sendo investigados pelas autoridades. O Ministério Público não informou quais os contratos, entretanto, nem os valores, específicos de contratos com a Terra Plana estão sendo investigados.

Outro lado

A Prefeitura Sertãozinho informou que “possui um contrato de higienização de próprios públicos com a empresa em questão, que vem sendo executado sem qualquer intercorrência” e que “a referida empresa venceu a licitação de serviços de coleta de lixo, atendendo a todos os requisitos apresentados no certame e de acordo com a legislação vigente”.

A prefeitura informou ainda que tomou conhecimento, pela imprensa, de que a empresa será objeto de investigação no âmbito da cidade de Orlândia. “Se por ventura houver alguma citação relacionada ao Município de Sertãozinho, serão feitas as apurações necessárias”, ressaltou.

A reportagem do Grupo Thathi também ligou nos telefones da Terra Plana, entre 16h45 e 17h30, mas ninguém atendeu.