Com atraso, Prefeitura disponibiliza o cadastramento para o programa Bom Prato

Serão oferecidas três refeições gratuitas diariamente, sendo café da manhã, almoço e jantar

Unidade do Bom Prato - Foto: Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social

A população em situação de rua de Ribeirão Preto já pode se cadastrar no programa do Governo Estadual Bom Prato, que oferece alimentação gratuita para um grupo específico de moradores sem teto da cidade.

O cadastro para o programa é realizado na Vila Brasil, na zona Norte da cidade. A grande maioria dos moradores de rua estão no centro de Ribeirão Preto, a 6.1 quilômetros de distância do local determinado para a realização do cadastro. 

Uma seleção será realizada para filtrar os moradores que devem receber o benefício do Estado. O programa será acessível basicamente para a população desabrigada que vive na região do Centro POP e que não possuem nenhum vínculo com outros programas do Governo. Os interessados serão submetidos a uma entrevista, para confirmar os requisitos e os dados do beneficiado.

“O cadastro é muito simples, ele exige poucas informações, como nome, número de documento, nome da mãe e a cidade de cadastro e ele é feito a partir de uma entrevista e essa entrevista pode ser feita rapidamente, a gente acredita que em cinco minutos a gente consegue terminar todo o procedimento”, afirmou um funcionário do programa.

Ao todo, 200 cartões, que estavam prometidos para o dia 10 de junho, chegaram nesta semana para serem entregues aos moradores junto com a realização de um cadastro, que começou ontem, terça-feira (16). Além dos cartões disponíveis, 20 unidades dos mesmos estão reservadas para a reposição caso algum cartão seja perdido. 

Segundo as próprias estatísticas da Secretaria de Assistência Social, baseados na pesquisa do Instituto Limite, Ribeirão Preto possui 1.000 pessoas em situação de rua. Somando o números de cartões disponíveis com o número de pessoas abrigadas na cava do bosque, o total chega a 300. Sendo assim, 700 moradores não terão o direito ao alimento gratuito, fato não explicado pela Prefeitura.

A repórter Gleice Lira, durante o programa Thathi Repórter, entrevistou moradores de rua que estavam na fila do almoço do Bom Prato, um dia antes da chegada dos cartões. “Nem café da manhã está sendo de graça e nem o almoço, se nós não estivermos aqui de manhã com 50 centavos e na hora do almoço com 1 real você não almoça não”, afirmou um beneficiado do programa.

“O povo fala que é de graça mas quando chega na hora não é, tem que pagar. A comida é boa, não tem o que reclamar não, mas também de graça não tá não. Se nós não vem com 1 real, 50 centavos, tem que ficar se humilhando, pedindo aí”, completou um outro homem, que estava junto no momento da entrevista.

“Muitos comerciantes falam que é de graça, que viram na televisão que é de graça, mas tem que pagar, não tem nada de graça não, as três refeições tem que ser paga”, concluiu.

Com a chegada dos cartões e a ativação dos mesmos, o Grupo Thathi atualizará sobre o funcionamento do programa futuramente, em uma nova matéria.

Prefeitura

Em nota, a Prefeitura afirmou que o programa beneficiará pessoas que não estejam abrigadas nos serviços de acolhimento da Secretaria de Assistência Social. 

A Prefeitura ainda afirma que serão oferecidas três refeições gratuitamente por dia, sendo café da manhã, almoço e jantar. 

Uma segunda unidade do programa Bom Prato havia sido anunciada como uma promessa de campanha do atual prefeito de Ribeirão Preto, Duarte Nogueira (PSDB). O projeto foi anunciado oficialmente pelo governador do Estado de São Paulo João Dória (PSDB) em 2018, mas a obra não tem previsão para acontecer.

Em 2019, o governo estadual chegou a anunciar que o restaurante começaria a operar no primeiro semestre de 2020, o que não ocorreu. Até o momento, nem o local onde será construída a unidade foi definido. Clique aqui para mais informações sobre a obra de assistência social arquivada.