Vídeo | Jovem posta vídeo rindo depois de matar adolescente que conheceu pela internet em SP

Jovem jogava videogame com o assassíno; ele diz ter planejado ação por duas semanas

Ingrid foi morta com várias facadas - Foto: Redes Sociais

Um caso macabro aconteceu na tarde de segunda-feira (22), no bairro de Pirituba, na zona norte de São Paulo. Guilherme Alves da Costa, 18, foi acusado de matar a jovem Ingrid Oliveira Bueno, 19, a golpes de facadas. Os dois se conheceram a um mês e jogaram videogame juntos. A Polícia Civil investiga o caso.

No dia do crime, tinham combinado jogar na casa de Guilherme. A jovem tinha, inclusive, conseguido um atestado médico para faltar ao trabalho. Ela foi até a casa e, depois de algumas partidas, acabou sendo esfaqueada.

De acordo com o rapaz, ele proferiu os ataques a menina porquê ela não queria participar de uma ” seita secreta”, na qual ambos iriam atacar igrejas.  Além do ato de crueldade, Guilherme gravou e compartilhou o vídeo em um grupo que pertencia a sua equipe de jogos.

Após esfaquear a jovem, Guilherme Alves Costa gravou um vídeo em que ri da situação e confirma ter cometido o crime. “Vocês estão achando que é tinta, montagem ou algo do tipo, mas não é. Eu realmente matei ela, entendeu? […] Olha só, que maravilha”, disse, aos risos, ao se referir ao corpo aparentemente sem vida.

Ainda macabro, Guilherme no momento do crime usava uma máscara igual ao do atirador do massacre da escola de Suzano, em São Paulo.

Encontro

O corpo de Ingrid foi encontrado pelo irmão dentro de Guilherme, dentro da casa da família. Esse jovem conseguiu localizar Guilherme e fez com que ele se entregasse. Mostrando frieza, o garoto ainda sorriu em meio a sua detenção.

O garoto disse também sentir ódio por mulheres, dessa forma o crime está sendo tratada como misoginia. Ele ainda informou que não se arrependeu do crime. ‘’Minha sanidade mental está completamente apta. Eu quis fazer isso”, disse.

Macabro

Em um vídeo postado nas redes sociais logo depois do crime, o jovem diz sentir vontade de atacar o cristianismo e diz não gostar de muitas pessoas.

Ele também disse que escreveu um livro sobre a morte que cometeu e que planejou a ação por duas semanas. Esse material, além de um diário com 51 páginas em que ele relata desejos perturbadores, já estão com a polícia para a apuração do caso.

Sepultamento

Ingrid Oliveira foi sepultada nesta quarta (24) em um cemitério na zona Norte de São Paulo. A Jovem usava o apelido Sol, e adepta ao cosplay. A família conta que era uma moça reservada e não quiseram entrar mais em detalhes sobre  caso.

Em entrevista à RecordTV, Maria Rita Alves, mãe do garoto, afirma que Guilherme era um bom filho. “Esse não é o filho que eu criei”, conta a

Nenhuma postagem para exibir