Prouni abre inscrições para bolsas remanescentes

As bolsas oferecidas são integrais e parciais em cursos de graduação de instituições privadas de educação superior

Prouni abre inscrições para vagas remanescentes do segundo semestre. Foto: Agência Brasil

O ProUni (Programa Universidade para Todos) abriu nessa segunda-feira (5) as inscrições para bolsas remanescentes do segundo semestre deste ano de 2019. Estão disponíveis tanto bolsas integrais quanto parciais, dependendo do perfil do candidato. O prazo vai até 16 de agosto para os não matriculados em instituições de ensino e 30 de setembro para os já matriculados. As inscrições devem ser feitas pelo site.

As bolsas do ProUni são para brasileiros sem diploma de curso superior e tenham participado do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). A condição para pleitear a bolsa é ter obtido nota mínima de 450 pontos na prova e não ter zerado na redação. É necessário também que o estudante tenha cursado o ensino médio em escola pública ou em instituição privada como bolsista integral, além de enquadrar no perfil de renda exigido pelo programa.

Para José Romero Nobre de Carvalho, diretor da Escola SEB (Unidade Lafaiete) a bolsa é a forma de acesso ao ensino superior para muitos estudantes. “Como essa modalidade de acesso ao ensino superior é destinada exclusivamente aos alunos que cursaram o Ensino Médio na rede pública de ensino ou que o tenha cursado com bolsa integral, temos aqui uma democratização na oferta de vagas que não foram preenchidas nas Instituições de Ensino Superior privadas em todo o Brasil”, ressalta Carvalho.

Opções

Ao contrário do que acontece normalmente nos processos do ProUni, não há segunda chamada nem divulgação das notas de corte diárias. Depois de inscrito, o candidato não está automaticamente aprovado e precisa comparecer à instituição escolhida em no máximo dois dias úteis para comprovar as informações prestadas na inscrição online. 

De acordo com Carvalho, as bolsas do Enem oportunizam acesso a vagas de cursos com vagas não preenchidas, notadamente os menos procurados, o que de certa maneira nem vai ao encontro dos anseios dos estudantes.

“Aqui não existe uma escolha livre, mas sim uma escolha de oportunidade. Contudo, para estudantes oriundos de famílias de baixa renda o impacto é positivo, pois para muitos é a porta da Universidade que se abre”, conclui o diretor.