Orquestra Sinfônica da USP apresenta seu primeiro festival on-line

Entre 8 e 20 de março, o Osusp Fest vai promover masterclasses e cursos teóricos gratuitos

Foto: Divulgação / Jornal da USP

Em meio ao isolamento por conta da pandemia de covid-19, a Orquestra Sinfônica da USP (Osusp) realiza, de 8 a 20 de março, seu primeiro festival on-line. O Osusp Fest vai promover uma série de masterclasses de instrumentos – que vão das cordas, madeiras e metais até percussão – e três cursos teóricos: Produção Musical na Pandemia, Saúde e Bem-Estar do Músico: Afinando o Corpo e a Mente e Comunicação e Divulgação do Músico Clássico. No total, serão 15 cursos, ministrados pelos músicos da orquestra e colaboradores, todos gratuitos. Segundo o fagotista e diretor da Osusp Fábio Cury, que também ministra um dos cursos, “o objetivo do festival é trabalhar para a formação de público e educação musical”.

Segundo Cury, atualmente as orquestras sinfônicas do mundo todo – isso não é privilégio da Osusp, como frisa –, cada vez mais, precisam dar atenção à vertente pedagógica. Além disso, diz, as orquestras brigam com a evasão de público, o que no Brasil é bastante significativo. “A Osusp, que já tem essa vocação por ser uma orquestra universitária, não poderia deixar de ter um projeto pedagógico consistente, e agora, diante dessa pandemia, abre-se essa oportunidade de mostrar o talento dos nossos músicos também como educadores”, afirma, lembrando que são raros os músicos que se dedicam puramente à interpretação e não se dedicam à docência. Outra questão importante, como aponta, é a cooperação com professores de outras instituições de expressão nacional, possibilitando um intercâmbio de experiências.

As masterclasses, que contemplam todos os instrumentos integrantes da Osusp, terão a participação de estudantes e alunos ouvintes. Eles vão poder apresentar vídeos, que serão comentados pelo professor. Como explica Cury, os vídeos também poderão funcionar como exemplos para a aula, assim como o docente pode abordar tópicos acerca dos instrumentos, selecionando recortes sobre a prática do instrumento, seja na técnica, seja na interpretação. “Nos diferentes cursos, haverá uma mescla de aulas expositivas e interação”, informa.

Cursos

Todos imaginam que a profissão de músico é prazerosa, e não estão errados, mas a rotina, às vezes, pode ser estressante, como conta Cury. “O músico, quando toca, tem esse rigor muito grande, especialmente dentro da música clássica, tem essa busca pela perfeição que é algo bastante exacerbado. O músico clássico tem esse medo do erro e por isso a ansiedade de performance, um problema muito sério. Por outro lado, o músico, ainda nesse perfeccionismo, se dedica a horas de estudo extensas e muito solitárias, podendo desenvolver alguma lesão ou uma doença com a repetição constante de movimentos”, afirma. Problemas que, segundo ele, não são raros. Ao contrário, são frequentes, e por isso a importância do curso Saúde e Bem-Estar do Músico: Afinando o Corpo e a Mente (dias 13 e 20 de março, das 8 às 12 horas e das 14 às 18 horas). Com organização das musicistas da Osusp Vana Bock de Biaggi e Denise Fukuda, e participação de vários profissionais de diferentes áreas, incluindo fisioterapeutas, o curso vai abordar, entre outros tópicos, a ansiedade na performance musical, Chi Kung (técnica milenar chinesa voltada para o equilíbrio físico, mental e espiritual) e a técnica Alexander (que auxilia na reeducação da postura).

Há também o Produção Musical na Pandemia (dias 9 e 16 de março, das 8 às 10 horas), que será ministrado por Newton Carneiro, um músico versátil que além de tocar viola na Osusp também é produtor musical, compositor e arranjador. “Agora, especialmente na pandemia, com a impossibilidade de apresentações públicas convencionais, muito do que foi feito, e a Osusp seguiu esse padrão, foi feito com os músicos em suas próprias casas. Surgiram vários softwares e programas, e o curso vai abordar esses recursos tecnológicos”, informa Cury.

Já Comunicação e Divulgação do Músico Clássico (dias 12 e 19 de março, das 16 às 18 horas) será ministrado por Carolina Lins Leal Xavier de Camargo e Marcos Vinicius Fecchio da Cunha Gonçalves. Como diz Cury, é um outro desafio, porque o músico não sabe como divulgar seu trabalho, e o curso vai mostrar as mídias possíveis e também como montar um projeto.

O festival é  uma experiência que já se mostra bem-sucedida – até sexta-feira passada havia 1.300 inscritos. Segundo Cury, a ideia é que, se possível, em 2022 o festival ocorra de forma presencial, integrando o Departamento de Música da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP e todos os órgãos musicais da Universidade. “Essas reflexões também nos levaram à constatação da relevância que teria um programa pedagógico permanente desenvolvido pela Osusp. O Osusp Fest é uma dessas frentes. Estamos pensando na  formação de jovens músicos e também na ampliação do nosso público”, conclui.

O Osusp Fest acontece de 8 a 20 de março, em vários horários. Interessados em participar dos cursos podem acessar o link disponível nas redes sociais da Osusp: sitefacebook e instagram. Grátis.

Nenhuma postagem para exibir