HC Ribeirão mobiliza população para campanha “Julho Verde”

Campanha chama atenção para riscos do câncer de cabeça e pescoço, que só no Brasil tem 43 mil novos casos detectados por ano

O Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP/USP) promoverá atividades em alusão à Campanha Nacional de Prevenção do Câncer de Cabeça e Pescoço, conhecida como “Julho Verde”, entre os dias 24 e 31 de julho. O objetivo é conscientizar a população quanto aos principais fatores de riscos para doença e as formas de prevenção. 

Uma das ações é uma exposição de pôsteres, com distribuição de folhetos e orientação aos funcionários, acompanhantes e a comunidade do hospital no saguão da Portaria Principal, do Hospital das Clínicas, no Campus da Universidade de São Paulo. No sábado (27), dia Mundial de Conscientização e Combate ao Câncer de Cabeça e Pescoço, alunos e profissionais de fonoaudiologia e medicina da FMRP-USP e do Hospital das Clínicas estarão na Praça XV, no Centro de Ribeirão Preto, das 9h às 14h, realizando atividade assistencial à população, com orientações, atividades culturais e oficina com atividade de socialização dos pacientes laringectomizados (que passaram por retirada total da laringe), com a população.

O coordenador regional da campanha em Ribeirão Preto, professor Hilton Ricz, explica que o objetivo da campanha é esclarecer a população sobres os riscos da doença, que vem registrando aumento de casos nos últimos anos, e alerta que “quanto mais precoce for a detecção da doença, mais eficaz será o tratamento”.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), estima-se que a cada ano sejam diagnósticos 640 mil novos casos de câncer. Sendo o de cabeça e pescoço, o segundo mais frequentes em homens (8,9%) e o quarto com mais incidência em mulheres (6,3%), com exceção do câncer de pele não melanoma, que também é considerado câncer de cabeça e pescoço e um dos que mais matam a população. Os tumores considerados de cabeça e pescoço são aqueles localizados na boca, na faringe (garganta), na laringe (cordas vocais), nos seios da face, na cavidade nasal, na glândula tireoide e glândulas salivares.