Workaholic: vício em trabalho pode estar ligado a distúrbios psiquiátricos

Ansiedade, TOC e Déficit de Atenção são comuns entre as pessoas que trabalham demais; psicóloga detalha e dá orientações

Foto: Pixabay

Pessoas que trabalham sem parar, profissionais que simplesmente não conseguem se desligar das atividades corporativas ou até mesmo não conseguem aproveitar um dia de folga sem pensar no trabalho. Esse transtorno é intitulado como workaholic (vício de trabalho) podendo ser prejudicial não só à saúde física e mental, como também acende sinais preocupantes de distúrbios psiquiátricos.

Thaís Alves, psicóloga clínica da CORE Psicologia, esclarece que algumas pessoas gastam mais o tempo com trabalho do que com vida pessoal.  “A busca incessante por resultados, os e-mails checados a cada minuto, as horas extras duplicadas no banco de horas, as horas ‘ligado’ mesmo estando em casa, ou praticando alguma outra atividade do dia a dia, como ir às compras no supermercado, um passeio ao shopping, permanecendo com o pensamento no trabalho. Esse ciclo aparentemente inofensivo, gera exaustão e fadiga em muitos profissionais, e é o indício de que algo está errado e precisa ser tratado”, explica.

As causas podem estar ligadas à ansiedade, depressão, baixa autoestima, assim como também ao desejo de se destacar no trabalho e mostrar que é bom no que faz. As consequências, conforme Thaís, podem acarretar as cognitivas: ansiedade, irritabilidade, depressão, mal-estar, preocupação constante, entre outras; as fisiológicas: insônia, estresse, taquicardia e aumento da pressão arterial; e as comportamentais: controle excessivo, planejamento extremo, afastamento do ambiente social e da família.

Fernanda Gentil e Sabrina Sato, por exemplo, são artistas que já declararam publicamente que são workaholic e que estão em tratamento.

A pessoa que trabalha muito e possui esse comportamento compulsivo sofre bastante, pois ele resulta em péssima qualidade de vida, e, consequentemente, a saúde começa a se manifestar negativamente. Entre os sintomas comuns, estão: insônia; irritabilidade; depressão; traumas e síndromes; mau humor; agressividade; impotência sexual; descontrole emocional; medo do fracasso; surtos de ansiedade e pouca autoestima.

Leidiane Martinez, psicóloga em Ribeirão Preto – Foto – Divulgação

A psicóloga Leidiane Martinez, da Core Psicologia, esclarece e traz dicas de alguns sinais de alerta sobre um Workaholic:

O primeiro a chegar… e o último a sair

Esse não é um fator ruim. Muitos profissionais acham que são mais produtivos no início do dia, especialmente, quando há menos distrações. Mas, se você também é o último que fica para desligar as luzes à noite, então pode haver um problema.

Ausência de hobbies

Quando foi a última vez que você participou de algum tipo de atividade que você gosta fora do trabalho? O resultado disso é que seu círculo social evapora lentamente devido à falta de equilíbrio entre trabalho e vida pessoal, deixando apenas colegas e clientes em sua lista de contatos.

Estresse constante

Se você se encontra em constante estado de preocupação, mesmo quando não está em seu período de trabalho, isso pode ser problemático. Às vezes, os viciados em trabalho descobrem que estão estressados porque não estão no trabalho – e muitas vezes sofrem sintomas de abstinência nos finais de semana. Isso não é bom para sua saúde nem a curto ou a longo prazo.

Se identificou? Então tome uma atitude antes que o trabalho tome conta da sua vida! Procurar a ajuda de psicólogo é o melhor caminho para restabelecer o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal. Afinal, é importante demonstrar comprometimento com sua empresa, mas é fundamental alcançar um equilíbrio sensato.

Nenhuma postagem para exibir