Psicólogo afirma que pandemia pode ter criado um novo transtorno de ansiedade

A coronafobia é um transtorno de ansiedade e, como tal, é caracterizado por medo excessivo, persistente e irreal de situações, pessoas, objetos

Passageira de ônibus no terminal Bandeira, adere ao uso de máscaras descartáveis por precaução contra o coronavírus - foto: Agência Brasil

A pandemia da covid-19 forçou o mundo a descobrir e adotar como rotina o “novo normal”. E, não dá para negar as evidências, a transformação rápida do modo de vida, somada ao pânico da contaminação pelo vírus sars-cov-2 e das mortes provocadas pela doença, vem trazendo consequências. Como efeito colateral, muitas pessoas estão desenvolvendo transtornos de saúde mental. Para se ter uma ideia, nos meses de abril e maio de 2020, oito entre dez brasileiros já sofriam de algum transtorno de ansiedade; eram os primeiros meses da pandemia, quando houve o aumento das mortes pelo novo coronavírus.

Os dados foram revelados por uma pesquisa feita na época pelo Ministério da Saúde com 17,5 mil brasileiros entre 18 e 92 anos de idade. Mas são confirmados por estudos em todo o mundo e registrados na literatura médica como uma fobia específica do coronavírus. O transtorno foi descrito pela primeira vez em dezembro do ano passado, num estudo publicado pelo Asian Journal of Psychiatry e batizado como coronafobia.

Cauteloso quanto ao surgimento de um novo transtorno de saúde mental, o psicólogo lembra que existem outras questões a serem analisadas, como a criação de protocolos para lidar com o novo transtorno, a verificação dos estágios de avaliação do paciente e a implementação do melhor tratamento. Questões ainda não respondidas, tendo em vista que o próprio diagnóstico da covid-19 é recente e ainda passa por mudanças. Para Sousa, os artigos médicos têm falado de um transtorno do estresse relacionado à covid-19, mas “é preciso perguntar se precisamos de uma categoria nova. Temos várias outras categorias diagnósticas, como síndrome de burnout, por exemplo, que talvez deem conta do fenômeno que está sendo chamado de coronafobia”.

Segundo o especialista em saúde mental da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, o psicólogo João Paulo Machado de Sousa, é esperado um aumento dos transtornos de ansiedade em época de pandemia, já que o medo de contágio fica mais acentuado. Mas, adianta o psicólogo, ainda não se tem um diagnóstico formal da coronafobia que, por ser muito recente, não consta das classificações diagnósticas utilizadas pelos médicos profissionais da área. Classificações estas importantes para as trocas de informações e tratamentos das doenças. “Um diagnóstico de transtorno mental tem uma utilidade grande e específica, que é permitir que os profissionais conversem sobre um mesmo fenômeno que tem um nome e que agrupa vários sintomas, várias apresentações”, afirma Sousa.

Coronafobia: sintomas e prevenção

A coronafobia é um transtorno de ansiedade e, como tal, é caracterizado por medo excessivo, persistente e irreal de situações, pessoas, objetos. Como todo transtorno de ansiedade, a coronafobia é um problema de saúde mental que requer atenção médica e psicológica. “Toda fobia tem sintomas físicos, cognitivos e comportamentais. Como sintomas físicos existem as palpitações, os aumentos do batimento cardíaco, aumento da sudorese, que é o suor excessivo, agitação psicomotora e perturbação ou privação do sono”, afirma Sousa. Tem também a sensação de falta de ar, que é um dos principais sintomas da covid-19.

Os primeiros sinais de que alguma coisa está errada são quando a pessoa apresenta as mesmas preocupações com o coronavírus que todo mundo apresenta, mas de forma exagerada e, principalmente, quando a preocupação causa prejuízos, afetando relacionamentos, atividades profissionais – quando o medo do contágio atrapalha o rendimento no trabalho – e até a integridade física, com algum risco médico. “Nós tivemos muitas pessoas que se intoxicaram no início da pandemia porque ingeriram vários produtos de limpeza, como os derivados de cloro”, relata o psicólogo. 

Sousa afirma ainda que, em termos cognitivos, há ruminações contínuas ou pensamentos obsessivos do tipo “eu vou morrer”, “vou me contaminar”, “vou contaminar minha família” ou “o mundo inteiro nunca mais vai sair dessa pandemia”. Como comportamento mais saudável, Sousa indica que se deve evitar locais públicos, meios de transportes compartilhados e a necessidade de reassegurar constantemente a ausência da doença através de testes contínuos.

Para a prevenção dos riscos da pandemia aos transtornos mentais, Sousa acredita que devemos ficar alertas “quando as medidas usadas para prevenção acabam trazendo problemas para o indivíduo e quem está à sua volta. Exigências de cuidado que acabam criando conflitos. O limite entre prevenção e fobia é cruzado quando os comportamentos começam a ficar excessivos e causam prejuízos”.

Nenhuma postagem para exibir