Levantamento coloca Ribeirão e cidades da região na lista vermelha do oxigênio médico

Levantamento do Conselho de Secretários Municipais de Saúde é autor do apontamento; prefeitura de Ribeirão diz que não haverá desabastecimento

Cilindros de oxigênio serão produidos em Ribeirão - Foto: White Martins

Ao menos 115 dos 645 municípios paulistas, o que representa quase 18% do total, estão com os estoques de oxigênio medicinal em nível crítico. Entre as cidades estão 18 da região, incluindo Ribeirão Preto. Os dados são do Conselho de Secretários Municipais de Saú­de de São Paulo (Cosems).

Da região, a lista inclui, além de Ribeirão, Batatais, Bebedouro, Bro­dowski, Cravinhos, Guata­pará, Jardinópolis, Olímpia, Pitangueiras, Pontal, Santa Rosa de Viterbo, Santo An­tônio da Alegria, São Simão, Sertãozinho, Taiaçu, Terra Roxa, Viradouro e Vista Ale­gre do Alto.

Apesar do dado, entretanto, o secretário da Saúde de Ribeirão, Sandro Scarpelini, contradisse a informação, afirmando que a cidade não corre risco de ficar sem abastecimento e que tem estoque para garantir o atendimento aos pacientes.

Usina

Nesta semana, o governo do Estado anunciou a instalação de uma usina de envasamento de oxigênio medicinal em Ribeirão. Em uma parceria com a Ambev, a fábrica será instalada em uma cervejaria da cidade e deve ser capaz de produzir 120 cilindros de dez metros cúbicos de oxigênio, o suficiente para atender pelo menos 166 pessoas em Unidades de Terapia Intensiva (UTI). A usina deve funcionar até o fim da primeira semana de abril.

Nenhuma postagem para exibir