Covid-19 | Médico vê Ribeirão em cenário equiparado a Manaus e defende parceria com iniciativa privada

Presidente da federação dos hospitais de São Paulo defende venda de leitos da iniciativa privada para setor público e fala sobre politização do uso da cloroquina

Yussif Ali Mere Junior, presidente da Fehoesp - Foto: Divulgação
Continua depois da publicidade

Compra leitos em hospitais particulares. Essa é a solução proposta pelo presidente da Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (FEHOESP), o médico Yussif Ali Mere Junior. Segundo ele, a rede particular pode ajudar a minorar o problema da falta de leitos, que atinge um momento crítico em Ribeirão Preto.

Segundo o médico, a situação na cidade é semelhante à de Manaus, capital brasileira que vivenciou cenário desesperador durante esta pandemia com falta de leitos e condições de atender aos doentes. “Há cerca de dois meses, o Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto tinha ocupação de 50% dos leitos disponíveis para a covid-19; ninguém esperava que chegasse rapidamente a 100% como aconteceu, mesmo assim, o que precisaria ter feito é criar leitos de UTI”.

Ainda há, segundo ele, possibilidade de disponibilização de leitos da rede particular para o SUS. “Os hospitais estão lotados, mas existe possibilidade de diálogo. Isso está colocado para o governo estadual. Nos colocamos à disposição, mas não avançou a ideia de se criar esses leitos. Muitas prefeituras pequenas no estado de São Paulo se adiantaram a isso e compraram leitos dos hospitais privados. Ribeirão não fez isso, mas a situação atual exige mais leitos”. A rede privada de hospitais , pela migração significativa de usuários dos planos de saúde para o SUS, segundo Ali Mere Jr., tem condições, ainda, de criar leitos.

Sobre a criação de hospitais de campanha para o interior paulista, onde a contaminação pelo novo coronavírus tem crescido significativamente, o presidente da FEHOESP diz que as estruturas armadas foram um erro estratégico por não suportarem estruturas mais complexas como as de UTI. “Disponibilizar leitos de enfermaria é a mesma coisa que isolar o paciente em casa para acompanhamento”, comparou.

Cloroquina

Sobre o uso da cloroquina e outros medicamentos que ainda não têm protocolo científico para tratamento da covid-19,  Yussif Ali Mere Jr. lamentou a politização do debate. “A decisão é do médico. Por enquanto temos mais notícias de complicações pelo uso de medicamentos ainda sem protocolo para tratamento da covid-19 do que soluções; e não temos pesquisas que comprovem a eficácia”, analisou.

O médico ainda comentou sobre a politização do debate em torno dos protocolos de tratamento para a doença. “Trata-se de um caso que é científico usado politicamente. Nosso inimigo é o vírus. Vemos alguns casos de prefeitos que começaram a distribuir cloroquina para a população e isso é um absurdo porque o medicamento tem de ser administrado pelo médico. O que não podemos fazer é transformar um assunto científico em debate político ideológico”.

Nenhuma postagem para exibir