+60: Doria anuncia início aplicação terceira dose da vacina para a próxima segunda (6)

Também entrarão no esquema vacinal imunossuprimidos com mais de 18 anos

Governador João Dória durante a Coletiva de Imprensa Imagem: Governo do Estado de São Paulo

O governador João Doria anunciou o início da vacinação em massa para pessoas acima dos 60 anos e imunossuprimidos, maiores de 18 anos, a partir da próxima segunda-feira (6), no estado de São Paulo.

A imunização começará pelo público acima de 90 anos. Este primeiro grupo possui 148,7 mil pessoas. Logo em seguida, entre os dias 13 e 19 de setembro, a faixa etária será de 85 a 89 anos, formado por 231,7 mil paulistas.

O planejado é para que as aplicações terminem em 10 de outubro, com a vacinação dos idosos acima dos 60. A informação foi veiculada em coletiva de imprensa, realizada no Palácio dos Bandeirantes, nesta quarta-feira (1º). Segundo Doria, 7,2 milhões de cidadãos receberão a terceira dose da vacina.

De acordo com a Nota Técnica 27/2021, a  CoronaVac, em estudos preliminares, demonstrou ser efetiva na amplificação da resposta imune, com a aplicação da terceira dose. “Houve a demonstração da amplificação da resposta imune após a terceira dose, elevando a patamares superiores ao observado quando da aplicação da segunda dose, tanto em adultos de 18 a 59 anos (17) quanto acima de 60 anos”, diz o texto.

Vacinação em Serrana

Durante a transmissão, realizada na sede do governo paulista, o chefe do Executivo estadual confirmou que cerca de 5 mil idosos com 60 anos ou mais, residentes na cidade de Serrana, vão receber reforço da vacina do Instituto Butantan a partir do próximo dia 6.

Segundo ele, a aplicação em massa da terceira dose da Coronavac é necessária para garantir o acompanhamento do estudo de vacinação em massa conduzido pelo Butantan na cidade. Chamado de Projeto S, o estudo clínico de efetividade da Coronavac em Serrana teve início em fevereiro, com a vacinação em massa de toda a população adulta da cidade até abril.

Com 95% dos habitantes acima de 18 anos protegidos pelo imunizante do Butantan, a pesquisa inédita mostrou quedas significativas de 95% em mortes, 86% de internações e 80% em casos sintomáticos de COVID-19 na cidade da região de Ribeirão Preto.

“O Projeto S foi inovador em termos de análise de efetividade vacinal em grande escala. Um estudo clínico escalonado que deu resultados extremamente importantes”, afirmou o Diretor do Butantan, Dimas Covas.

A redução dos indicadores da pandemia foi constatada com a comparação dos dados registrados antes e depois que cerca de 27 mil moradores com mais de 18 anos receberam duas doses da vacina do Butantan, com intervalo de 28 dias entre a primeira e a segunda aplicação.

Com a terceira fase da pesquisa, o Butantan vai providenciar a aplicação da dose de reforço da Coronavac em uma população estimada de 5 mil pessoas com 60 anos ou mais na cidade. “Serrana é um verdadeiro laboratório epidemiológico e isso vai permitir o acompanhamento de uma possível ameaça representada pela variante delta”, concluiu Dimas.

Nenhuma postagem para exibir