Alessandro Maraca durante evento de incentivo à doação de sangue: vereador já foi liberado e está em casa após infarto - Foto: Divulgação
Continua depois da publicidade

“44 anos, 22 dias e 13 horas de vida.  Não vou esquecer esse momento, porque foi o momento em que nasci pela segunda vez”. Assim o vereador Alessandro Maraca (PMDB) descreve o que considerou a parte mais difícil de ter sofrido um infarto. O fato ocorreu na quarta-feira (31), quando ele se preparava para entrar no estúdio e apresentar seu programa de rádio, o Interação, na Thathi.

Maraca teve alta no sábado e está em casa. Agora, aguarda a liberação dos médicos para retomar as atividades, tanto na Câmara quanto no parlamento. A expectativa é que isso ocorra até o fim da semana.

“Não acreditava que podia acontecer comigo, embora muitas pessoas tivessem me alertado. Mas a verdade é que nunca achamos que vai acontecer conosco.  Quando tive a confirmação, parei por alguns segundos, olhei para a médica e chorei. Meu pai morreu de parada cardíaca, teve um infarto, e eu lembrei disso e chorei”.

Maraca conta que, no dia, cumpriu agenda normal. Esteve na Câmara, atendeu pessoas e só começou a se sentir mal momentos antes de entrar no ar.  “Senti uma dor e uma queimação no peito. Os braços e as mãos estavam ficando meio doloridos. Subi a escalda, mas me senti muito cansado”, conta.

Problema gástrico

Ele conta que chegou a tomar um remédio imaginando que o problema seria gástrico. “Pedi para segurar o programa, mas percebi que não tinha como apresentar. Por sorte, havia um médico, que trabalha na TV e estava no estúdio. Ele me chamou, foi auscultando meu coração e disse que eu estava infartando”, conta.

Ele conta que não acreditou que estivesse sofrendo um infarte. “No princípio não queria ir ao hospital, mas acabei sendo convencido. Achei que fosse um desconforto gástrico, tomei até remédio pra isso”, conta.

O rápido atendimento, segundo ele, foi fundamental. “Pediram para que eu ficasse tranquilo. No cateterismo foi detectado o problema em uma veia, que estava comprometida. Não houve necessidade de ponte de safena, mas já fizemos o diagnóstico de infarto. Coloquei um stent, tudo correu bem”, disse.

Mudanças

Maraca conta que, nos momentos e, que ficou internado, teve tempo para analisar sua atuação nos últimos anos. “Eu tive, durante muitos anos, a vontade de estar em cargo eletivo justamente para fazer a diferença. Mostrar que dá pra fazer diferente na política, que a política é boa, que pode mudar a vida das pessoas. Eu cometi um grande erro, deixei minha vida de lado”, conta.

Depois de passar pela experiência, o vereador promete mudanças. “Descuidei da saúde, não fiz esportes, tenho comido muito mal. Agora, entendi que isso tem que ser diferente. Vou reorganizar meus horários, diminuir a intensidade. Vou focar em cuidar um pouco mais da saúde”, explica.

Maraca comemora, também, o resultado da cirurgia. “Os médicos me disseram que o dano não foi grande, que poderia ser corrigido imediatamente com o stent. Fiquei aliviado.  Os medicamentos vão me acompanhar por um tempo, a coisa foi mais séria que eu imaginava. Mas ganhei uma segunda chance, e pretendo aproveitá-la”, disse.