Entregues em dezembro, pontes do PAC estão irregulares; MP deve investigar obras

Três pontes sobre a Francisco Junqueira custaram R$ 2,2 milhões; para especialista, houve erro na execução do projeto

Entregues no final de 2018, as três pontes sobre o córrego Retiro Saudoso, na avenida Francisco Junqueira, apresentam problemas de execução do projeto que colocam em risco quem utiliza a via diariamente. As rampas destinadas a cadeirantes adentram em até 50 centímetros o espaço destinado ao asfalto da via, o que contraria a legislação brasileira. A prefeitura admite o problema, mas nega que motoristas ou cadeirantes estejam em risco. O Ministério Público (MP) irá investigar o caso.

As três pontes ligam o Centro aos Campos Elíseos e foram feitas no cruzamento das ruas José Bonifácio, Visconde de Inhaúma e Barão do Amazonas com a Francisco Junqueira. A entrega da última ocorreu em dezembro. Elas foram construídas com recursos do PAC (Programa de Aceleração do Crescimento) e custaram, no total, R$ 2,2 milhões. A construtora foi a empresa V Quattro Engenharia.

A Associação Brasileira de Normas Técnica (ABNT) determina que rampa de acesso não pode adentrar o asfalto. O fim da rampa deve coincidir com o início da via para não colocar os motoristas em risco, especialmente em um eventual capotamento. Veja a angulação correta que a construção deve seguir:

 

 

Não é o que acontece nos trechos em questão, conforme pode ser percebido no vídeo abaixo:


Análise

A reportagem do Grupo Thathi conversou com o engenheiro de tráfego Eduardo Araújo. Segundo ele, a construção foge do padrão e o fato de a rampa entrar no espaço do asfalto ocorreu por conta de uma construção fora do padrão estipulado no projeto. “Foi uma gambiarra para resolver um problema criado na execução da obra das pontes. Elas foram feitas mais altas do que o projeto original. Não é o ideal, mas foi a solução encontrada pra não prejudicar os cadeirantes”, informou.

Ainda segundo Junqueira, a situação poderia ter sido evitada. “Se a ponte tivesse sido construída conforme o projeto, não teria acontecido isso”, declarou.

Absurdo

Segundo o promotor Wanderley Trindade, que cuida do setor de mobilidade urbana, se confirmada, a construção irregular é um “absurdo”. “Não dá pra entender nem há como justificar uma construção que invade a via. Se isso efetivamente for confirmado, e iremos investigar para ver essa situação, a prefeitura deve resolver o caso com a máxima urgência”, disse ele.

Trindade informou ainda que irá apurar a situação da construção. “Iremos verificar se esse problema efetivamente está acontecendo e investigar, se for o caso”, disse.

Outro lado

Procurada, a Secretaria de Obras Públicas informou que “as questões de acessibilidade nas pontes da avenida Francisco Junqueira foram acompanhadas por técnicos da Secretaria do Planejamento para atender às Normas de Acessibilidade. Não foi feita alteração na construção em relação ao projeto, mas sim um ajuste para melhor adaptar a rampa de acessibilidade”.

Ainda segundo a prefeitura, “o pavimento elevado no local impossibilitava o trânsito de cadeiras de rodas. Portanto, foi feito um complemento para que as pessoas com deficiência possam se locomover sem dificuldades. A pasta ressalta que essas adequações não causam riscos aos motoristas ou aos cadeirantes”, garantiu a administração.

A reportagem tentou ouvir a V Quattro Engenharia, mas ninguém foi localizado na empresa para comentar o assunto até o fechamento da matéria.