A espera de notificação da perda do mandato, Otoniel Lima tira objetos do gabinete na Câmara

Parlamentar teve direitos políticos suspensos por empregar funcionária fantasma no Legislativo de Limeira

Otoniel Lima (PRB), vereador em Ribeirão - Foto - Divulgação/PRB

O vereador Otoniel Lima (PRB), começou a desocupar, nesta terça-feira, seu gabinete na Câmara de Ribeirão Preto. O vereador foi condenado à perda das funções públicas por ter empregado uma funcionária fantasma quando era vereador em Limeira.

A informação foi confirmada por quatro funcionários da Câmara. O vereador, que não compareceu à sessão de ontem, não foi localizado para comentar.

Ligado à Igreja Universal do Reino de Deus, Otoniel foi vereador em Limeira e, em 2005, acabou acusado, junto com outros três parlamentares, por improbidade administrativa. Segundo a denúncia, feita pelo Ministério Público, todos empregavam funcionários fantasmas em seus gabinetes. No caso de Lima, a funcionária uma manicure que tinha um salão e trabalhava nele em horário de expediente do Legislativo.

A decisão judicial que suspendeu os direitos políticos do parlamentes saiu em 2009 e, depois de seguidos recursos, o parlamentar acabou efetivamente condenado. Agora, terá que deixar o cargo. Segundo o Judiciário, “[…] essa perda não alcança apenas a função desempenhada quando da prática do ato ímprobo, mas de qualquer função pública exercida após o trânsito em julgado da sentença condenatória, como aqui ocorre”, escreve a juíza no documento.

De acordo com o MP, já foi enviado um ofício ao parlamentar informando a decisão da Justiça. Lima deverá, então, informar ao Judiciário que ocupa função pública para, logo depois, ser oficiado da perda do cargo. A Câmara de Ribeirão também terá que ser notificada, mas o presidente do Legislativo, Linconl Fernandes (PDT), informou que nenhum documento chegou até a Câmara no momento.

Coderp

Em uma sessão de poucos projetos relevantes, o destaque foi o pronunciamento de Elizeu Rocha (PP), vice-líder do governo Duarte Nogueira (PSDB) na Casa. Em tom enérgico, o parlamentar fez pesadas críticas à Coderp, que trabalha, segundo ele, “a passos de tartaruga”. “Em mais de um ano, a Coderp não conseguiu implantar um sistema para abrir um link e fazer os cadastros online das contas de água do Daerp.  Isso porque estamos em 2019 e a Coderp está em 1900”, disse.

Rocha citou ainda o fato de o superintendente do Daerp, Afonso Reis Duarte, ter declarado, no programa Larga Brasa, comandado pelo radialista Antonio Carlos Morandini, do Grupo Thathi, de que a Coderp também não desenvolveu em tempo hábil o software responsável pelo gerenciamento do sistema que operaria o refinanciamento de dívidas da autarquia.  “Trocou o superintendente, virou presidente, e continua na mesma, Não sai do lugar. O próprio Daerp esta semana pediu para a população não ir fazer o acordo das dividas, já que a Coderp não conseguiu implantar um sistema”.

Finalizando, o parlamentar pediu o fechamento da companhia. “Faço aqui um apelo ao prefeito: feche a Coderp. Vamos terceirizar. Estamos andando de carroça. Então, senhor prefeito, venho aqui encaminhar, como vice-líder de governo. A Coderp não está colaborando com a nossa administração”, disse.

Nenhuma postagem para exibir