Resíduo de DNA esclarece crime sexual ocorrido em 2007, em Bauru

Caso foi solucionado após cruzamento de perfis genéticos do Banco de Dados da Polícia Técnico-Científica; Criminoso cumpre semiaberto em Ribeirão

Uma iniciativa do Instituto de Criminalística (IC), da Polícia Técnico-Científica, foi crucial para que a Polícia Civil de Bauru conseguisse esclarecer um crime sexual ocorrido no ano de 2007. Graças ao sistema de armazenamento de perfis genéticos de criminosos sexuais, foi possível identificar o responsável pelo delito.

O estupro/atentado ao pudor e roubo ocorreram em março do referido ano, no bairro Bela Vista, tendo como vítima uma mulher maior de 18 anos.

Como estes crimes costumam deixar vestígios, na época foi colhido material genético do autor, deixado na peça íntima da vítima, bem como o da própria vítima.

Os fatos foram investigados pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) da cidade que, apesar dos inúmeros esforços, não conseguiu esclarecer o crime naquele ano.

Resultado do DNA

Depois de 14 anos do início das investigações, a DDM de Bauru foi informada pelo IC que, por meio do Banco de Dados de DNA da Instituição, no qual são armazenadas informações genéticas de autores de crimes sexuais, inclusive daqueles já condenados e presos, foi possível identificar a autoria de diversos crimes ocorridos no Estado, incluindo o caso de Bauru.

O cruzamento de informações, possibilitada pelo sistema do IC, relacionou um homem já detido em unidade prisional ao crime ocorrido em 2007, o que levou a especializada a pedir o desarquivamento do processo e realizar os devidos indiciamentos contra o autor.

Além disso, a delegada da DDM de Bauru, Alexandra Nogueira, também solicitou à Justiça uma reavaliação da situação processual do preso R.R.G (49), já que ele cumpre regime semiaberto em Ribeirão Preto por outro estupro em 2009, na cidade de Suzano (SP).