Polícia Federal prende foragido na Operação “Fada Madrinha”

A Polícia Federal realizou nesta quinta-feira (30) a prisão de um dos investigados na Operação Fada Madrinha que encontrava-se foragido.
O investigado foi localizado e preso na cidade de Goiânia/GO, onde será interrogado e permanecerá à disposição da Justiça Federal em Franca/SP.
As investigações prosseguem com o intuito de realizar a prisão do outro investigado que encontra-se foragido desde a deflagração da operação.

A investigação teve início em novembro de 2017, quando a Polícia Federal recebeu informações de que transexuais estavam sendo aliciadas pelas redes sociais com promessas da realização de procedimentos cirúrgicos para a transformação facial e corporal e da participação em concursos de misses na Itália.

As investigações apontaram que as vítimas, ao chegarem à cidade de Franca, em busca das promessas, eram submetidas à exploração sexual e à condição análoga à de escravas, sendo obrigadas a adquirir itens diversos dos investigados (roupas, perucas, sapatos etc.), o que as levava a um ciclo de endividamento.

Os investigados aplicavam silicone industrial no corpo das vítimas e as encaminhavam para clínicas médicas para implante de próteses mamárias, havendo indícios de que as próteses utilizadas eram provenientes de reuso.

As vítimas consideradas mais bonitas e promissoras eram enviadas à Itália para a participação em concursos de misses, tudo a expensas dos investigados, o que dava causa a um novo ciclo de endividamento. Naquele país, eram novamente submetidas à exploração sexual para o pagamento de suas dívidas com o grupo criminoso.

No decurso das investigações foi apurado que esquema semelhante ao de Franca (SP) estava em curso nos Estados de Goiás e de Minas Gerais e que havia uma parceria comercial entre os investigados, mediante o “intercâmbio” de vítimas.

Os investigados responderão, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de tráfico internacional de pessoas, redução à condição análoga à de escravo, associação criminosa, rufianismo e exercício ilegal da medicina. Se condenados, as penas podem ultrapassar 25 anos de reclusão.

Acompanharam as diligências representantes do Ministério do Trabalho e Emprego e da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que ficaram responsáveis por medidas protetivas às vítimas.

Nenhuma postagem para exibir