Mulher morta em frente a churrascaria teve rosto queimado com ácido e brigas constantes com ex

Familiares relatavam brigas intensas por ciúmes; Polícia Civil investiga o caso

Kelly com o rosto queimado com ácido - Foto: Redes Sociais

Rosto queimado como ácido, ameaças constantes e medo. Assim familiares e amigos da comerciante Kelly Cristina da Silva, 41, morta a queima-roupa ao sair de uma churrascaria no Centro de Ribeirão Preto no domingo (8).

A Polícia Civil investiga o ex-companheiro de Kelly, Carlos Henrique Schiavoni, Kelly tinha uma medida protetiva contra ele, que responde, também, por ter jogado ácido no rosto da mulher, há dois meses. Apesar de apontado como autor do homicídio, ele não foi preso.

O caso é investigado como feminicídio pela Delegacia de Defesa da Mulher (DDM). O caso foi registrado por câmeras de segurança da região (confira abaixo)

Conturbado

Segundo depoimento de familiares, o relacionamento do casal durou um ano e meio, mas eles estavam separados há sete meses.

“Eles brigavam muito, o ciúme era das duas partes, mas ele era quase insano”, diz um parente da vítima, que pediu para não ser identificado.

O caso

Policiais militares acionados na ocorrência souberam no local que Kelly e uma amiga deixavam uma churrascaria e haviam solicitado um carro por aplicativo, para embarcar na avenida Francisco Junqueira no cruzamento com rua Floriano Peixoto, por volta das 16h. 

Momentos antes, uma delas postou em rede social que confraternizavam no restaurante. A Polícia Civil acredita que Schiavoni tenha visto a postagem e aproveitado do momento para cometer o crime.
 
Quando o veículo solicitado chegou, ele, que estava no local, fez disparos contra a ex-companheira. Dois tiros atingiram a vítima, que morreu imediatamente.

Uma terceira bala atingiu de raspão a perna da amiga que estava com Kelly. Ela foi socorrida e levada para Unidade de Emergência do Hospital das Clínicas.

Nenhuma postagem para exibir