Mulher denúncia estupro após corrida de Uber em Ribeirão

Costureira afirma ter engravidado por conta do crime; ela não se lembra local onde violência ocorreu

Uma costureira procurou a polícia, nesta terça-feira (22), para denunciar um estupro que teria ocorrido em na madrugada de 27 de setembro. A mulher de 35 anos teria engravidado em decorrência do crime. A Polícia Civil investiga o caso.

De acordo com o boletim de ocorrência, a suposta vítima relatou que trabalhava, como temporária, em um posto de combustíveis nos Campos Elíseos quando, depois da jornada de trabalho, pediu um carro através de um aplicativo.

Um homem que dirigia um carro branco viu que ela estava parada e encostou o carro, perguntando se ela tinha solicitado a corrida. A mulher então disse que sim e entrou no carro.

Segundo o relato, o motorista parou em uma praça, no próprio bairro,  travou as portas do carro e ameaçou a mulher com uma faca. Ele mandou que ela tirasse a roupa e a estuprou, não utilizando preservativo. O homem a abandonou no local.

Liberdade

Depois de ser estuprada, ela voltou ao posto de pé e pediu carona para voltar pra casa. No momento, ela optou por não registrar o caso. Meses depois, com o atraso nas regras, fez um exame que confirmou a gravidez.

Depois de confirmar a gravidez, ela procurou a Unidade Básica e Distrital de Saúde do Centro, de onde foi encaminhada ao Hospital das Clínicas para atendimento. Ao relatar o caso, o hospital acionou a polícia.

Em seu depoimento, a mulher informou as características do suposto estuprador, mas não conseguiu explicar aos policiais o local onde o crime ocorreu. Ela informou ainda que não conferiu se as características do carro que ela chamou batem com o informado pelo aplicativo. Ela também não informou em qual posto ela trabalhou, afirmando que sofreu um bloqueio por conta do trauma. A Polícia investiga o caso.

Em nota, o Uber informou que “não foi possível verificar o caso relatado pelo portal Thathi.com, porque não foi fornecido à empresa qualquer informação sobre o veículo ou os indivíduos que permitissem identificá-los para verificar se a ocorrência mencionada se deu em viagem com o aplicativo da Uber”.