Justiça manda soltar homem que matou motociclista ao dirigir na contramão na Via Norte

Réu tentou fugir do local do crime logo depois do acidente; ele deixou a cadeia na sexta-feira e irá responder em liberdade;

Após causar o acidente, homem tentou fugir, nas foi preso na Via Norte - Foto: Lucio Mendes
Continua depois da publicidade

A Justiça de Ribeirão Preto concedeu nesta sexta-feira (27) a liberdade provisória para Clayton Rogério Gomes, 37, preso desde janeiro passado, quando atropelou um motociclista enquanto trafegava na contramão de uma das pistas da Via Norte, em Ribeirão Preto.

A vítima, Flávio Antônio Previato, 52, morreu no local.

A decisão da juíza Isabel Cristina Alonso Bezerra Zara, da 2ª Vara do Júri de Ribeirão Preto, baseou-se nos antecedentes e, por ser réu primário, Clayton Rogério Gomes pode responder em liberdade. 

O indiciamento ocorreu em decorrência dos fatos registrados na manhã 18 de janeiro.

Transeuntes relataram que o motorista dirigia em alta velocidade, quando atropelou um jovem próximo ao cruzamento da rua Euclides Elpídio Figueiredo. 

Ele não parou e tampouco prestou socorro, fugindo na contramão da via expressa, em velocidade acima do permitido.

Nas proximidades com a confluência da rua Aliados, o contador colidiu frontalmente com a motocicleta pilotada por Flávio Antônio Previato, que retornava para casa, depois do trabalho. 

O tenente do Corpo de Bombeiros Frank Fernando Andrade, cuja guarnição fez o atendimento às vítimas dos acidentes, em resposta aos repórteres, informou que o motorista estava agressivo e desorientado. 

Clayton Rogério Gomes teve a prisão decretada pela Justiça naquele mesmo dia.

Quando recebeu alta da Santa Casa de Ribeirão Preto, ele foi levado para o CDP (Centro de Detenção Provisória) de Serra Azul. 

Em 5 de fevereiro deste ano, a Justiça aceitou a denúncia do MPE (Ministério Público Estadual ), que indiciou Clayton por tentativa e homicídio duplamente qualificado, por considerar que a morte se deu por meio cruel e não ter dado chances de defesa à vítima, “tratando-se de delitos gravíssimos, hediondos e indicados do alto grau de periculosidade”, postulou a denúncia. 

O advogado de defesa do indiciado reafirmou que o seu cliente não teve intenção de causar os atropelamentos.

Advogado

O advogado Marcos Messias de Souza enfatizou na defesa apresentada à Justiça que o acusado estava fugindo de uma eventual perseguição de outro carro e de uma moto e, empreendeu fuga, acelerou o seu veículo e entrou na contramão da via pública.

A juíza Isabel Cristina Alonso Bezerra Zara, que considerou que não havia motivos para manter a prisão preventiva, e que não havia provas do acusado ter feito intimidações a testemunhas ou familiares das vítimas. 

Entretanto, a juíza determinou que o réu compareça ao juízo a cada 10 dias e está proibido de frequentar bares e casas noturnas, de manter contato com pessoas relacionadas ao processo e de se ausentar de Ribeirão Preto sem a devida e concedida autorização. 

Clayton Rogério Gomes deixou a prisão na tarde desta sexta-feira (27).

O promotor de Justiça, Marcus Túlio Nicolino, informou que a decisão da magistrada foi uma surpresa, e que cabível de recurso, mas irá analisar os termos considerados na decisão pela Justiça.