Justiça condena mais quatro réus em investigações decorrentes da Sevandija

Operação Houdini foi deflagrada em 2018 e, segundo o MP, envolveu movimento de propina mesmo durante as investigações; Sandro Rovani é um dos condenados

Sandro Rovani, ex-advogado do Sindicato dos Servidores - Foto: Divulgação
Continua depois da publicidade

A Justiça de Ribeirão Preto condenou quatro pessoas por envolvimentos em crimes investigados na Operação Sevandija. Eles estão implicados na Operação Houdini, deflagrada em maio de 2018 como resultado das investigações da Sevandija. A decisão é da 4ª Vara Criminal de Ribeirão Preto.

Segundo a denúncia do Ministério Público, o grupo movimentou dinheiro de propina mesmo depois que a operação estava em curso. Um dos condenados é Sandro Rovani, ex-advogado do Sindicato dos Servidores, que pegou 17 anos de prisão. Ele já havia sido condenado em dois outro processos da Sevandija. A filha dele, Ana Cláudia Silveira Neto, também foi condenada a 5 anos.

Foram condenados ainda o advogado Marcelo Gir Gomes (nove anos) e o empresário Paulo Roberto Nogueira (quatro anos).

Propina

Segundo a acusação do Ministério Público, Rovani foi o responsável por distribuir propina aos envolvidos no caso do pagamento de honorários advocatícios no acordo dos 28%, investigados pela Sevandija.

Ainda segundo o MP, Gomes seria o responsável por intermediar o contato de Maria Zuely Librandi com Rovani e atuaria na lavagem do dinheiro de propina pago para membros do governo da ex-prefeita Dárcy Vera. Nogueira e Ana Cláudia também teriam lavado dinheiro para o grupo, segundo o MP.

Outro lado

Procurado, o advogado Júlio Mossin, que responde pela defesa de Rovani e Ana Cláudia, informou que irá recorrer e que considerou a condenação “injusta”.

A reportagem não conseguiu contato com os demais responsáveis pelas defesas.

Nenhuma postagem para exibir