Jovem de 19 anos é suspeita de matar namorado durante discussão por pastel de feira, afirma polícia

Durante depoimento, namorada afirmou que o atingiu com agulha de narguilé ao se defender de uma agressão, em Aparecida de Goiânia

Jovem é suspeita de matar namorado com agulha de narguilé durante discussão por pastel de feira, em Aparecida de Goiânia — Foto: Arquivo pessoal

Uma jovem de 19 anos, que não teve a identidade divulgada, é a principal suspeita de matar seu namorado, Adailton Gomes, de 24 anos, com uma agulha de narguilé durante uma discussão causada por pastel de feira em Aparecida de Goiânia, em Goiás.

O delegado Eduardo Rodovalho, responsável por investigar o caso, disse que a vítima tinha uma pequena perfuração no peito esquerdo, que teria sido causada por esse objeto, utilizado para furar o papel alumínio que encobre o carvão e liberar calor para aquecer a essência do narguilé.

“Havia uma perfuração no mamilo esquerdo, causada no momento em que o casal discutia, por causa de um pastel de feira. Parece que eles saíram para comer esse pastel sem ela querer. Ela teria ficado nervosa e eles começaram a discutir. Parece que era uma relação muito imatura”, disse o delegado.

Em depoimento para a Polícia Civil, a suspeita afirmou que o namorado havia ido para cima dela com um narguilé quebrado e, para se defender, acabou o atingindo. A jovem disse ainda que ficou desesperada na hora, pois não “esperava isso”.

“Foi em um momento em que o casal discutia. Ele estava com o narguilé quebrado, foi para cima da investigada, sua companheira. Houve uma reação, ela pegou uma outra parte desse narguilé e teve a perfuração. Ele já caiu e ela ficou desesperada”, conta o delegado.

Investigação

A morte aconteceu na tarde de sexta-feira (18), na casa da suspeita, em Goiás. Segundo informações da polícia, inicialmente, havia uma suspeita de que o namorado teria passado mal e sofrido um infarto. Porém, depois, a equipe notou a perfuração em seu peito esquerdo.

O delegado explicou que o ferimento no peito do companheiro era mínimo, e por isso terá que aguardar a conclusão dos exames no IML, que deve ficar pronto nesta semana, para então confirmar a causa da morte.

“Foi um orifício muito pequeno no mamilo. Se realmente for essa a causa da morte, vai ter sido uma fatalidade absurda. Ele caiu de barriga no chão. Pessoal [agentes] pensou que foi uma morte súbita. Após o golpe ele caiu agonizando, mas ainda não temos uma conclusão”, afirmou o delegado.

O delegado afirmou ainda que a suspeita se apresentou fora do período de flagrante. Assim, não foi presa. O caso segue sendo investigado pelo Grupo de Investigação de Homicídios, que deve ouvir mais testemunhas nesta semana.

*Contém informações de G1.

Nenhuma postagem para exibir