DIG prende filha do cantor Belchior por suspeita de participação na morte de metalúrgico em São Carlos

Assassinato aconteceu em agosto de 2019, quando o metalúrgico de 42 anos foi esfaqueado na região do abdômen

Momento da prisão - Foto: CBN São Carlos
Continua depois da publicidade

A Delegacia de Investigações Gerais de São Carlos prendeu, na manhã desta quinta-feira (13), Jaqueline Priscila Dornelas Chaves, de 32 anos, e Isabela Meneghelli Belchior, filha do cantor Belchior, de 26 anos, por suspeita de envolvimento na morte do metalúrgico Leizer Buchiwieser dos Santos, em agosto do ano passado.

Segundo informações, o metalúrgico de 42 anos teria conhecido Jaqueline na época em que a mesma mantinha um relacionamento com Isabela. Um laço de amizade teria se estabelecido entre o trio, e em meados de agosto de 2019, Leizer propôs um encontro íntimo com Jaqueline, pedindo para que a mulher levasse ainda uma criança, pois o mesmo teria fetiche. 

Assassinato

O encontro sexual foi marcado para o dia 26 de agosto de 2019, quando Leizer encontrou Jaqueline em um posto de combustível na zona Leste de São Carlos. Já com a criança, o trio se deslocou para a casa de Jaqueline, onde Isabela também estaria presente.

Um desacerto, causado por um motivo não especificado, se tornou uma discussão e Leizer agrediu as duas mulheres. Um irmão de Jaqueline, segundo informações, teria se unido ao casal, devolvendo a agressão. No meio da briga, Jaqueline pegou uma faca e golpeou o metalúrgico com golpes na região do abdômen, na perna e em uma das mãos.  

Com os golpes de faca, o metalúrgico veio a óbito no local e, para desaparecer com o corpo, os envolvidos teriam colocado o cadáver no interior de um carro, partindo para a estrada vela da Babilônio, onde o corpo foi abandonado. 

No dia 1° de setembro de 2019, o pai do metalúrgico, que não teve o nome divulgado, registrou um Boletim de Ocorrência pelo desaparecimento do filho, que completava seis dias. Momentos após o registro do boletim, o corpo foi encontrado parcialmente enterrado com os pés e as mãos amarradas, já em estado de decomposição.

O veículo utilizado para o transporte do corpo também foi encontrado, mas o carro estava queimado em um canavial da região de Monjolinho.

 Apuração do fato

Durante as investigações, foi constatado o crime de latrocínio devido o desaparecimento de um cartão bancário do metalúrgico, o qual foi realizado um saque de uma quantia não especificada. A DIG espera concluir as investigações em 30 dias, para que seja realizada a prisão do irmão de Jaqueline, também envolvido no crime.

O celular de Leizer também foi encontrado pelos policiais, pois o aparelho estava na casa do metalúrgico carregando quando o crime aconteceu. O aparelho foi encaminhado para a perícia e informações foram juntadas ao inquérito policial, que, segundo informações, confirmou casos de pedofilia envolvendo o metalúrgico. 

Acompanhadas da advogada, Jaqueline e Isabela prestaram depoimentos no prédio da DIG em São Carlos. Após horas de confissão individual e em dupla, o casal admitiu o assassinato e explicou detalhes ao delegado. Nesta quinta-feira (13), Jaqueline e Isabela foram encaminhadas para a cadeia feminina de Fernando Prestes, no interior de São Paulo, onde estão detidas preventivamente. 

Nenhuma postagem para exibir