Casal vira réu após torturar criança de 7 anos até a morte

Carlos Henrique Santos do Carmo estava passando as férias na casa da sua mãe, uma das acusadas, e do padrasto

Carlos Henrique Santos do Carmo foi morto sob tortura, em Avaré Foto: Rede Social

Um casal se tornou réu sob a acusação de torturar uma criança de sete anos até a morte, em Avaré. Carlos Henrique Santos do Carmo estava passando as férias na casa da sua mãe, uma das acusadas, e do padrasto.

A mulher e o rapaz foram presos após o crime ter sido cometido e seguirão detidos, de acordo com o Tribunal de Justiça. O fato ocorreu no último dia 4. O irmão do garoto, de 10 anos, também estava com ele.  

De acordo com a denúncia, oferecida pelo Ministério Público, Dione Teixeira dos Reis, 28, teve a ele imputado o crime de privar alguém de liberdade, mediante sequestro ou cárcere privado. O fato foi agravado pela vítima ser menor de idade.

Além disso, responderá por tortura. O ato foi praticado contra as duas crianças por diversas vezes e, caso condenado, a pena será aumentada por conta também da idade dos agredidos.

Segundo o MP, o homem poderá ter suas penas acumuladas, por cometer dois crimes idênticos.

Já a mãe das crianças, Sara Santos da Fonseca,29, foi denunciada pelos mesmos delitos do companheiro. No caso dela, o caso se agravará, no caso da tortura, por omissão e também pelas crianças serem suas descendentes.

O inquérito que resultou na morte de Carlos, foi enviado à Justiça no último dia 13. Naquele período, o delegado responsável pelas apurações havia indiciado dos Reis por tortura qualificada, devido a morte do garoto.

Contudo, ainda era necessário aguardar o depoimento do irmão da vítima, de 10 anos. A medida foi tomada para analisar a necessidade do indiciamento de Sara.

A mulher, nesta terça-feira (31), foi transferida para a Penitenciária Feminina de Ribeirão Preto. Já Dione, segue detido na Penitenciária II de Serra Azul.

O caso

Carlos Henrique, 7, foi morto enquanto passava as férias com a mãe e o padrasto, em Avaré. O menino estava acompanhado do irmão de 10 anos.

A criança foi encontrada pela Polícia Militar, que fazia patrulhamento, caída na rua, no bairro Vila Esperança. O companheiro de Sara, junto com a vizinha, estavam no local, tentando reanimar o menino.

Uma equipe de atendimento médico foi acionada, mas a vítima deu entrada na unidade de saúde sem vida. Pelo local, os profissionais identificaram que o menino estava muito machucado, inclusive, com ferimentos nas partes íntimas.

O irmão de 10 anos foi localizado, tempos depois, com o olho roxo e com marcas de queimaduras por cigarro. Ele contou ter sido torturado pelo padrasto que, por sua vez, foi preso em flagrante. 

Segundo a polícia, a tortura consistia em engasgadura, descargas elétricas, por meio de fios e socos. Além disso, o menor foi submetido a sensação de afogamento já que tinha sua cabeça colocada dentro de um balde com água.

Nenhuma postagem para exibir