Vereador França, o falador passa mal

“Falador passa mal rapaz
Falador passa mal
Falador passa mal rapaz

Quem mandou você mentir
Você vai se machucar
Novamente aqui estou
Você vai ter de me aturar”

“Falador passa mal rapaz
Falador passa mal
Falador passa mal rapaziada

Quem mandou você mentir
Você vai se machucar
Novamente aqui estou
Você vai ter de me aturar”

Minha primeira coluna regida estritamente por uma música bamba, para marcar também a nova era do grupo. “Falador passa mal” é um clássico tupiniquim, cantado pelos poetas musicais do grupo Os Originais do Samba.

E não é que o suplente França, que de francês não tem nada, apenas é a vergonha do Ribeirão Verde, conseguiu entrar para a história da Câmara Municipal de Ribeirão Preto e será o protagonista deste texto: passou um dos maiores vexames de todas as legislaturas ribeirão-pretanas.

E olhe que há fortes concorrentes. O França pé-vermelho disputa com o vereador dos coletes de futebol, churrascos, cerveja quente, português horroroso e, hoje, tornozeleira eletrônica Não obstante, também para ilustração, o eterno populista demagogo, inimigo mortal dos desodorantes e banhos diários, que chamou seu par vereador, portador de necessidades especiais, de aleijadinho repetidas vezes, até que foi cassado.

“Que malandro é você?
Que não sabe o que diz
Cuidado que muita mentira
Você pode perder o nariz”

Por falar em cassação, é exatamente generosa a cassação de sua suplência, França. Ribeirão Preto não merece perder um representante por quatro anos para que um parlamentar que, no exercício de sua suplência legislativa, “agiu de má-fé, tentou enganar o Judiciário” Na decisão judicial na qual lhe é imposta multa: “Condeno, destarte, o impetrante por ato atentatório a dignidade da Justiça com fundamento no art. 77, VI e seus §§ 2º e 5º do Código de Processo Civil a multa, que, considerada a gravidade da conduta o irrisório valor da causa”.

Juiza condena vereador a pagar multa de R$ 21 mil por tentar enganar a Justiça

“Olha, eu vou te dá um alô
Que é prá você se mancar
Olha, eu vou te dá um alô
Que é prá você se mancar”

Sou analista político, não psicólogo de malandro ruim em ser malandro. Suas alegações de desconhecimento só tornam evidentes seu despreparo e incapacidade de ocupar um assento no poder público. Estava procurando holofotes, falador? Encontrou alguém que precisava de um. Deu no que deu.

Portanto, deixo registradas minha vergonha e ojeriza. Um conselho, que provavelmente o sr. não levará em consideração, vereador, mas não custa tentar: saia com dignidade e poupe o dinheiro do contribuinte com alguém que mereça ser representante na Câmara. Saia com a dignidade quem entende o tamanho do erro que cometeu. Assuma-o. Recomece.

Deixo aqui o link do grupo Sambô, de Ribeirão Preto, que fez uma bela homenagem aos Originais do Samba neste Pot-Porri. Cabeça que não tem juízo o mandato paga…