Vamos celebrar o nosso esquecimento

Nesse espaço teremos que nos entender: a partir de hoje estarei aqui com meus devaneios, gostos pessoais, observações, indignações, muito vinho e um coração aberto para mostrar um mundo possível e sonhado que você, leitor, poderá questionar. E peço que o faça a vontade, com euforia e com muito respeito e articulação. Se tiver dificuldade, vamos fazer o questionamento juntos. Será um prazer poder fazer isso pelo leitor enquanto leio e revejo meus próprios pensamentos.

Continua depois da publicidade

O que acha, então, de começarmos falando brevemente sobre a memória e o esquecimento? É que tenho falado difícil sobre isso na minha pós-graduação em Linguagens e Estéticas, linha em que escrevo sobre fotografia, uma linguagem não falada mas muito marcante, que nos rasga a alma, às vezes, com o poder que pode carregar. Um exemplo: você se lembra da foto do menino morto na praia? Não me esqueço.

Sem muito esforço é fácil perceber que vamos precisar de muito espaço para a memória nos próximos meses, já que o esquecimento, ao que tudo indica, será a força de repressão por meio de um estampido seco com gosto de chumbo. Mas eles não sabem que o esquecimento não apaga nada: deixa rastro, trilhas, indícios (para os mais eruditos), e sangue para o povo, categoria contagiante na qual me incluo. A fotografia da guerra foi enterrada em alguns casos e desenterrada anos depois. Literalmente. O esquecimento dá espaço para espaços de rememoração, de lembranças. O nosso será mostrado com o tempo.

Para que futuramente possamos ter construído boas memórias proponho conversar sobre as coisas que nos incomodam, nos emocionam, ou dar dicas de vinho tinto. Nosso canal oficial de contato poder ser o e-mail: santiagarcia@gmail.com. Aceito sugestão de temas e a tal da crítica construtiva. Amizades também são bem-vindas, mas é claro que demanda tempo, memórias coletivas… Então que tal começarmos hoje? Daqui até um Capuccinno na Recafé (preciso puxar pra minha sardinha) temos um longo caminho para construir. E quero começar logo pois como disse grande poeta: – “o tempo ruge e a sapucaí é grande”, ao se referir sobre qualquer situação urgente, e a minha, decididamente, é viver.