Conscientização sobre Transtornos Alimentares

Confira a opinião de Ana Carolina Port sobre os transtornos alimentares

Ana Carolina Port

Dia 02 de junho foi celebrado o Dia Mundial de Conscientização sobre Transtornos Alimentares. Este dia foi criado em 2016 por um grupo de especialistas para trazer luz a um tema que ainda é carregado de estigmas e mitos, unindo ativistas em todo o mundo, com o objetivo de expandir a conscientização global sobre os transtornos alimentares como doenças tratáveis ​​e geneticamente ligadas que podem afetar qualquer pessoa.

Pouco se fala, mas transtornos alimentares, como Anorexia, Bulimia e Transtorno de Compulsão Alimentar, são os transtornos com maior taxa de mortalidade entre as doenças psiquiátricas. Apesar deste alto risco de mortalidade, quando tratados precocemente, também estão entre os transtornos de maior e mais rápida taxa de recuperação.

Estima-se que mais de 70 milhões de pessoas no mundo tenham algum tipo de Transtorno Alimentar. Eles são bastante democráticos e afetam pessoas de todos os gêneros, orientações sexuais, idades, etnias e classes socioeconômicas.

Para ajudar na prevenção e tratamento destes transtornos é importante que fique atento a alguns sinais:

  • Preocupação excessiva com o peso, medo exagerado em engordar e questionando frequentemente sobre sua aparência;
  • Ingestão excessiva ou privação de alimentos ou grupos de alimentos específicos ou ainda pular refeições com muita frequência;
  • Isolamento social por sentir-se acima do peso;
  • Consumir alimentos longe de familiares ou amigos;
  • Sentimento de culpa após as refeições;
  • Prática de atividade excessiva como forma de compensar calorias ingeridas;
  • Uso de laxantes ou diuréticos para redução de peso;
  • Estimular vômitos após refeições;
  • Fazer dietas constantemente e estar sempre preocupado com calorias e nutrientes ingeridos.

Se você conhece alguém ou se reconheceu em um ou mais sinais de transtornos alimentares, procure especialistas e profissionais da área. O profissional responsável pelo diagnóstico é o Psiquiatra e o tratamento deve ser multidisciplinar, contando com nutricionistas, psicólogos e outros profissionais da saúde que possam contribuir com a melhora dos sintomas.

Atenção! É importante buscar profissionais que sejam especializados neste tema pois tem sido bem comum encontrarmos profissionais incapacitados que, por desconhecimento, pioram o quadro do transtorno. Então, antes de se consultar, pergunte sobre as especializações dos profissionais em relação ao tema.

Você também pode acessar o site da Associação Brasileira de Transtornos Alimentares – ASTRAL (https://astralbr.org/) para se informar mais!

Nenhuma postagem para exibir