Somos “seres políticos”!

No vale das sombras, o mal é vão temer. Se vos tenho a meu lado, por que desfalecer”? Esse verso era muito cantado nas liturgias de uns anos passados e o salmista comprova a presença divina sempre a socorrer o povo em situações delicadas e de extrema dificuldade. Essas sombras e dificuldades parecem permanecer em nossos ambientes, principalmente na política. Sombras de insegurança, violência, corrupção, desrespeito, falta de educação.

Continua depois da publicidade

            Ao mesmo tempo precisamos constatar que soluções mágicas não existem e que se queremos chegar a algum lugar precisamos caminhar, nos desinstalar, nos desacomodar e colaborar para que mudanças aconteçam. Bater panelas, fazer passeatas, podem ajudar se não ficar só no oba-oba das ruas e passar da gritaria para um processo de assumir responsabilidades comunitárias e sociais. Nossa cidade, nossa comunidade dependem de nossa participação para crescer, se modernizar e se transformar em casa de todos, mas, sem a colaboração de cada um, nada se transforma. Talvez não tenhamos ainda atentado para o fato de que somos “seres políticos” e que a não participação na política é uma omissão que interessa aos que fazem da politicagem o seu meio de vida. Quando falo de política não me refiro à política partidária e sim aos nossos esforços por empreender diversas maneiras de construir cidadania e respeito aos seres humanos e fazer respeitar seus direitos. Esse tipo de participação nos foi sugerido durante a Campanha da Fraternidade a fim de que quanto mais soubermos e participarmos dos diversos conselhos e também entidades, mais poderemos colaborar com políticas publicas que elevam a qualidade de vida do nosso povo.  Não se trata de “pisar em ovos”, mas de levar “luz” para esses vales tenebrosos de praticas políticas desastrosas para as cidades e para o país.

            Quando o povo participa muitas estruturas estremecem, pois o povo paga pela estrutura, por vezes ineficiente, de certos setores governamentais. Por exemplo, gastamos demais com gabinetes parlamentares e arcamos com o absurdo caos no sistema de saúde pública; bilhões são gastos em propinas e desvios de verbas públicas, enquanto escolas e professores não têm o mínimo necessário para formar os governantes de nosso amanhã. Questionar essas situações não nos coloca contra esse ou aquele, querer saber tais respostas nos põe a favor de nosso povo, da vida que maravilhosamente insiste em viver.

            É por isso que nosso Senhor nos ensina a fazer sempre o bem, buscar a justiça do seu reino e viver na verdade que liberta. Perseverar no bem e na verdade nos faz caminhar em meio a tantas situações de escuridão e de incertezas. É certo que Deus caminha conosco, é certo que a nossa responsabilidade é inquestionável e que os políticos não podem receber de nós uma “carta branca” para fazer o que bem ou mal entendem. Se não nos interessarmos mais pela política, os espertos vão continuar se interessando.

            Cuidemos de nossa “casa comum”, o lugar em que vivemos, nossa cidade, nossa comunidade e da natureza que generosamente proporciona o essencial para nosso viver. Não temos o que temer, pois “o Senhor vai conosco. Seu amor nos sustenta” (cf. Sl 23).

(Em parceria com o Pe. João Paulo Ferreira Ielo, Pároco da Paróquia Imaculada Conceição de Mogi Guaçu, SP)