Republicado a pedidos: A PÉRFIDA ALBION

Confira a opinião do professor Gilberto Abreu

Gilberto Abreu, é professor e ex-vereador em Ribeirão - Foto: Divulgação

O Bispo francês, Jacques Bossuet, ainda no século XVII, foi, talvez, o primeiro a denominar a Inglaterra de traidora, inconfiável, a que profere uma coisa e faz outra, como se pudesse personificar um país, uma nação, o que não deixa de ser temerário… Ao final do século XVIII, o Marquês de Ximenes, gaulês de origem espanhola, cunhou, em um conhecido poema, a expressão “pérfida Albion”, imediatamente popularizada pelo seu maior inimigo histórico, Napoleão Bonaparte, que a utilizou um milhar de vezes em seus discursos.

Traições britânicas, mas, sobretudo, inglesas, povoam a História…

Qual foi a resposta dada pela “imaculada” Rainha Vitória a um pedido do Imperador da China que solicitava apoio militar para conter o tráfico de ópio que ali chegava em volumosos lotes vindos da Índia? Que o “British Empire” era favorável ao livre comércio e, afinal, o ópio não era tão prejudicial assim… Ao defender os traficantes o poder imperial britânico provocou uma das mais ignominiosas guerras, justamente a “do ópio” -1839-1842- que viria a desmantelar e a submeter a “velha China”.

A mais recente aconteceu ontem, no plebiscito que autoriza a saída do Reino Unido da União Europeia (tiraram o acento, outra grande ideia que também não leva mais acento…) Bah!

A maior construção política da História, construída tijolo por tijolo, desde a criação do BENELUX (união de Bélgica, Holanda e Luxemburgo) num projeto de reconstrução recíproco ao final da Segunda Grande Guerra; seguida da pertinência dos Ministros franceses, Jean Monet e Schumann, ao patrocinarem a criação da CECA – Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, pelo Tratado de Paris, em 1950. Reunindo a França, Alemanha, Itália e os três do BENELUX, selou uma colaboração mútua, responsável pela reconstrução continental. Foi uma resposta à poderosa influência norte-americana do Plano Marshal. Livrou a Europa de ser uma mera extensão dos Estados Unidos. A expressão “milagre econômico” surgiu aí, com o fantástico crescimento obtido pela Itália (revisite os filmes do neo-realismo italiano, sobretudo “Roma, Cidade Aberta”, de Roberto Rosselini.)

O Tratado de Roma (1957) criou o Mercado Comum Europeu, exemplo maior de cooperação, um espaço comum de livre circulação de pessoas, mercadorias, serviços e capitais. Onde estava a Inglaterra? O Reino Unido? (A sua reunião com a Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.) A uma oceânica distância. A dos Canais da Mancha e de São Jorge… Uns quarenta quilômetros, se tanto.

Vendo-se à margem solicitam insistentemente o ingresso na bem-sucedida união de países e, olhe que de mercados eles entendem… A cada pedido recebiam um sonoro “não” proferido, napoleonicamente, pelo Presidente Charles De Gaulle. Só o conseguiram em 1973, anos depois da morte do General… Foram admitidos ao lado da Irlanda (do Sul) e da Dinamarca. Mais de uma década mais tarde, também se agregam Portugal e Espanha, depois de se livrarem de ditaduras que os mantinham no atraso, a salazarista e a franquista.

O passo mais audacioso se deu em 1992, com o Tratado assinado na cidade holandesa de Maastricht, que selou a mais importante conquista da Humanidade, quando o Mercado Comum foi transformado em União Econômica, projetando, inclusive, a adoção de uma moeda única, o EURO, que seria implantada no final do milênio, como o foi no ano de 2000. Onde estavam os britânicos? Fora. Preferiu-se manter a sua moeda exclusiva, a Libra Esterlina, todo poderosa desde que lastreada com quase todo o ouro extraído do Brasil no século XVIII. 

As recentes crises, a econômica de 2008 e a humanitária dos refugiados que chegam em grande número nos últimos cinco anos, o projeto maior de uma federação europeia foi abortado. Talvez, sepultado de vez com a decisão plebiscitária de ontem, 23 de junho de 2016.

O fato pode reacender separatismos, exclusivismos, particularismos, já evidenciados na Espanha, França e noutros lugares. E mais, pode criar o Reino Desunido, uma vez que a Escócia não se renderá novamente aos ingleses. A derrota do plebiscito de sua separação se deu por conta de pretenderem continuar na Europa unida. Agora, não há nada mais que a impeça. Também eles não morrem de amores pelos ingleses… A Irlanda do Norte seguirá o mesmo caminho juntando-se à República da Irlanda, se o fanatismo religioso o permitir, na briga histórica entre católicos e protestantes. Também eles, com muito maiores razões, não morrem de amores pelos ingleses…

O que poderá advir? A volta de nacionalismos estúpidos. A vitória de líderes populistas e até racistas. Um novo fantasma ronda a Europa. Não é mais a ameaça do comunismo proferido por Marx. Líderes fascistas reencarnados. Novos Mussolinis, novos Hitleres, Salazares e Francos de péssima memória…

Tudo isso por conta de uma traição a uma generosa ideia de um mundo sem fronteiras.  Mais um débito, talvez o maior, a ser colocado na conta da “pérfida Albion”. Dos penhascos de Dover brotarão lágrimas. Que ao menos não sejam de sangue…

Perfídia! Os que vão morrer te saúdam!!!

Nenhuma postagem para exibir