Quem não gosta de samba, bom sujeito não é!

Por mais inocente e melódica que essa afirmação possa parecer, ela é a síntese da intolerância à diversidade de pensamento.

Insistimos em julgar a atitude do outro e definir como errado ou o certo, considerando uma só variação: se pensa igual a mim é certo, se pensa diferente é errado.

Julgamos e damos o veredito final sem se quer parar para pensar ou refletir sobre a possibilidade de que nem tudo varia entre certo e errado… é só diferente.

Estamos todos condicionados a criar padrões, pré-estabelecer formatos, seja sobre opiniões, atos, coisas, ou pessoas e qualquer um fora desse formato que padronizamos, julgamos como errado.

Mas e aí? Existe o certo e  o errado?

Existe sim!

Esse discernimento de certo e errado, diz respeito ao caráter, sobre considerar se vai fazer mal para alguém, prejudicar de sobremaneira outras pessoas.

Certo e errado nunca será sobre uma roupa diferente, cabelo, ou uma opinião diferente.

Em época de opiniões polarizadas pela Internet precisamos tomar cuidado ao contrapor nossas ideias, o que é muito saudável desde que respeitada a diversidade de pensamento.

Respeitar o pensamento alheio não faz de ninguém compactuante desse pensamento,

considere analisar o diferente, considere pensar fora da caixa, considere ir a um lugar que nunca foi, conversar com alguém que nunca conversou, vestir uma roupa que nunca vestiu, pensar de um jeito que nunca pensou, deixar seu mundo se ampliar.

Ver diferente, pensar diferente, isso te torna diferente? não… apenas um mero pensador.