Quem matou o menino Joaquim?

HÁ 3 ANOS –  O mês de setembro marca o terceiro ano da confissão do crime de maior repercussão nacional na história de Ribeirão Preto.  O técnico em informática Guilherme Longo confessou à reportagem da Record TV que matou o enteado Joaquim, de 3 anos, com um golpe de Jiu-Jitsu. Um mata-leão.

O CASO – Joaquim, filho de Natália Ponte e enteado de Guilherme, foi dado pela família como desaparecido numa manhã de novembro de 2013. O caso atraiu a atenção de toda a imprensa nacional. Os maiores veículos de comunicação do país montaram plantão para acompanhar o caso. O corpo do menino foi encontrado dias depois no rio Pardo perto de Barretos e a nação inteira apontou o dedo para o mais provável culpado: Guilherme Longo.

A PRISÃO – Guilherme foi preso. Polícia Civil e Ministério Público arquitetaram uma tese da qual não mais conseguiriam se livrar. Guilherme teria matado Joaquim com uma alta dosagem de insulina. A prova? Guilherme se informava sobre o produto na internet, foi visto comprando ampolas numa farmácia e alguns frascos sumiram.

A LIBERDADE – Quando a primeira prisão de Guilherme foi relaxada por conta dos meandros judiciais que poucos mortais decifram, a jornalista Juliana Melani, produtora da Record TV à época, me informou que havia feito contato por uma rede social com o acusado.  Combinamos que ela deveria seguir em frente.  Cevar a fonte sem forçar uma entrevista de cara. Nossa aposta é que pelo perfil narcisista de Guilherme isto aconteceria naturalmente. E seis meses depois aconteceu.

A NEGOCIAÇÃO  – Às 4h da madrugada de uma manhã de setembro,  Juliana me despertou com uma chamada pelo celular com uma bomba. Guilherme queria falar. Ainda naquela manhã que estava para raiar. Perguntei se ela se sentia segura para prosseguir. Disse que sim e foi me informando passo a passo. O primeiro local de encontro seria um posto de combustíveis. Trocando mensagens com Juliana, Guilherme foi mudando de lugar. E ela me atualizando a todo o instante. A cada mudança eu perguntava: – Você tem certeza de quer ir? Pode ser perigoso? Juliana insistiu.

LOCAL SUSPEITO – Por volta de 10h da manhã, Juliana me informou que Guilherme a esperava num motel. A tensão aumentou. Na última mensagem antes da entrevista, ela disse que havia uma moto e dois capacetes na porta do quarto onde estava Guilherme.  A corajosa Juliana entrou e gravou 50 minutos de conversa. Guilherme disse com todas as letras que matou e como matou o enteado.

PÓS-VERDADE – Três anos depois, o Ministério Público já declarou que o depoimento não vai ser usado no processo da acusação porque o que foi deduzido – uso letal da insulina – é mais forte que uma confissão espontânea – mesmo que para um veículo de comunicação. Guilherme passou a negar. Disse que recebeu dinheiro para dar entrevista. Enquanto isso, a memória do menino Joaquim espera há seis anos por uma sentença digna, coisa que os adultos parecem não ter pressa nenhuma para proferir.