Draugen: Decida você o que é real ou não!

Novo game indie mistura mistério, anos 20 e personagens fascinantes

ENREDO E COMUNICAÇÃO ENTRE OS PERSONAGENS
O game se passa em 1923. Edward e Lissie viajam de Hanover, Massachusetts, para uma pequena vila de pescadores na Noruega em busca da irmã mais nova de Edward, Elizabeth, que desapareceu. Um fato interessante, é que a história do jogo não é introduzida ou contada de uma maneira clara, mas sim, trazida à tona em conversas entre o “teddy bear” e sua companheira de aventura. A comunicação entre os protagonistas acontece de maneira fluida, por diálogos que podem ser interrompidos ou iniciados por você quando for pertinente. Você também pode apenas escolher ficar em silencio, o que aumenta ainda mais a imersão ao controlar Edward, um acadêmico lacônico e sério.

Continua depois da publicidade


Já Leslie, possui um temperamento mais liberal e selvagem, contrapondo totalmente o estilo de Edward. As características e anseios dos dois personagens são extremamente bem colocados com uma interpretação que sem dúvida consegue trazer o peso de cada respiração ofegante, de cada dúvida ao explorar a vila e se deparar com uma nova situação. Em particular, os murmúrios, e pausas audíveis de Edward passando pelas letras e selecionando o que ler em voz alta para Lissie fazem essas interações parecerem mais genuínas.

EDAWARD E LESSIE, GRÁFICOS EXUBERANTES E A TRAGÉDIA.
A vila de Graavik é deslumbrante e o trabalho gráfico realizado mais incrível ainda. O sol passa por entre as folhas das árvores fazendo brilhar em contraste com o azul do céu, um laranja hipnotizante. Acima, no topo das montanhas, a neve branca e brilhante trás uma satisfação e um conforto que parecem reais. E tudo isso agregado ao trabalho de reproduzir fielmente cada material, cada costume, cada vestimenta, cada apetrecho da década de 20, sem dúvida enche os olhos e torna a experiência muito satisfatória. O design dos personagens também não fica para trás. Lissie foi modelada com uma atenção incrível aos pequenos detalhes. O simples fato da sobrancelha um pouco arqueada e a leve curva em seus lábios tornam suas expressões e opiniões muito mais fortes ao serem transmitidas. Sem falar no design de som que além de trabalhar muito bem efeitos isolados, ao inserir uma trila sonora te deixa arrepiado, como acontece logo em uma das primeiras cenas do game ao subir em direção a casa dos Fretlands.

O mais interessante é que existe uma tragédia por trás de tudo isso, e sem dúvida essa calmaria toda te transporta pra um sentimento de inquietação, afinal por que um lugar tão próspero e maravilhoso agora está quieto e esconde algo? Sem dúvida essa tensão vai levantar cada fio de cabelo da sua nuca quando os fatos começarem a aparecer.

Por ser uma aventura em primeira pessoa que mescla suspense com alguns outros elementos, sem dúvida você vai encontrar nesse jogo situações um tanto quanto batidas como casas mal assombradas, uma vila abandonada, uma mina antiga, artefatos e monstros, porém não é nesse ponto que a coisa fica interessante, e sim quando entra em cena relação entre Edward e Lissie. Nesses momentos o imaginário se confunde com o real tornando as coisas até macabras em certas situações.

A trama do título é muito bem constituída com personagens cheios de detalhes e problemas que parecem reais, como a minha ou a sua família podem estar passando nesse momento. Isso se dá ao fato de saber mesclar temas simples e temas mais complexos, e saber com qual personagem e até que ponto deve ir com cada questão.

SOBRENATURAL OU NÃO?
Uma das sacadas do titulo é você, tirando suas próprias conclusões e colocando suas crenças pessoais em cima da mesa, poder decidir se tudo o que você viveu no game é uma obra do sobrenatural ou apenas um grande desentendimento levado até as últimas consequências. Sim, é você quem decide o que se passou nas histórias, não que isso seja verdade. Obvio que não vou aqui contar detalhes profundos do enredo, seria um desserviço para você, não poder ter a alegria e a satisfação de desvendar pessoalmente os mistérios de Draugen.

FINAL ABRUPTO
Draugen é um game com apenas 3 horas de jogatina, então não espere noites e noites dentro desse incrível mistério. Um dos pontos fracos desse game é sem dúvida a maneira com que o fim foi entregue. O game literalmente “acaba meio que do nada”, se assim podemos dizer. E de repente você se pega indo embora no mesmo barco que chegou, olhando para a cidade e se perguntando, “mas já estou indo?”. Muitas perguntas ficam em aberto e isso pode ser visto de duas formas. A primeira é que a conclusão não foi muito bem trabalhada, e por qualquer motivo desconhecido tiveram que acabar assim. Já a segunda é que a pequena vila é mais complexa e viva, e que alguns dias ali  não seriam suficientes para trazer a tona toda a riqueza de detalhes proposto, colocando em cheque a questão trazida por Lessie ao fim de tudo, “ de que quem sabe, algum dia, eles voltem para desvendar os mistérios daquele lugar”.

CONCLUSÃO

Draugen foi feito sob um esmero absoluto, o que te proporciona na pequena estadia no game uma experiencia única, tão boa que no fim o gosto é de quero mais. O ponto ruim é sem duvida a dificuldade em finalizar com peso a história, mas o que não apaga o delicado e cuidadoso trabalho para criar os personagens e o ambiente incrível construído.

Nós do Pixel fizemos o gameplay dos primeiros 30 minutos do game, confere ai: