Morre Luiz Carlos Bento, defensor incansável do Estado de Direito

Advogado estava internado e teve um ataque cardíaco nesta madrugada; OAB se manifestou em nota

Luiz Carlos Bento, advogado criminalista em Ribeirão Preto - Foto: Redes Sociais
Continua depois da publicidade

Morreu na madrugada deste sábado, aos 65 anos, o advogado Luiz Carlos Bento, um dos decanos da advocacia criminal de Ribeirão Preto. Com problemas de saúde que se agravaram nos últimos meses, ele estava internado há acerca de um mês e teve um ataque cardíaco durante a madrugada.

Nascido em Ribeirão Preto em 10 de novembro de 1955, fazia questão de ressaltar, em suas palestras e mesmo conversas informais, a origem humilde – nasceu na Vila Seixas, em Ribeirão, e  era filho de uma cozinheira e um servente de pedreiro.

Formando na Universidade de Ribeirão Preto, tornou-se advogado em 1978, aos 22 anos. “Tive uma infância muito difícil. Meu pai trabalhava muito nos trechos, minha mãe de cozinheira, lavando roupa pra fora. Sempre me dediquei aos estudos, os amigos até tiravam sarro”, chegou a declarar, em vídeo produzido por ele e postado nas redes sociais.

Bento estava internado há cerca de um mês. Na madrugada deste sábado, teve uma parada cardíaca e acabou não resistindo.

Membro da Academia de Letras e Artes de Ribeirão Preto, Bento também lecionava em cursos jurídicos de Ribeirão Preto e de São Paulo. Também teve atuação política, sendo candidato a vereador e a deputado federal, sem sucesso.

Carreira

Bento era conhecido por atuar em casos de grande repercussão. Negro, sempre atuou contra o racismo e costumava dizer que, no direito penal, era impossível fazer acordo com autoridades. Uma de suas frases mais comuns era: “Quem quer atuar fora da lei não precisa do Bento como advogado”.

Atuou em dezenas de casos de grande repercussão, colecionando vitórias. Mais recentemente, defendeu a advogada Maria Zuely Alves Librandi nas investigações da Operação Sevandija. Antes, tornou-se célebre por defender o empresário Pablo Russel Rocha, acusado de matar uma garota de programa ao arrastá-la pela avenida Caramuru, no início dos anos 2000.

Repercussão

A notícia repercutiu entre o mundo jurídico da cidade. “A advocacia criminal acorda em luto. Faleceu nesta madrugada o nosso querido amigo Dr. Luiz Carlos Bento. Um dos advogados de maior prestígio, inteligência e sucesso que Ribeirão Preto já teve”, afirmou o jurista Daniel Rondi, também criminalista.

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) lamentou a morte do advogado, a quem chamou de “renomado criminalista que muito contribuiu para o direito de defesa e o Estado Democrático de Direito”. “Nossos mais sinceros sentimentos à família e amigos enlutados”.

Nenhuma postagem para exibir