Com mais de R$ 1 milhão captados via Lei de Incentivo ao Esporte, projeto em Ribeirão Preto já formou 240 judocas profissionais

O Rumo ao Pódio funciona na cidade desde 2014 e é executado pela renomada Associação de Judô Corpore Sano, coordenada pelo vice-campeão mundial de judô, Cleber do Carmo

Nos últimos anos, somando todos os projetos executados pela Corpore Sano, mais de 20 mil alunos foram atendidos Foto: Divulgação

Quimonos, faixas, dedicação e muito treino. Essas são palavras que resumem o projeto Rumo ao Pódio, que funciona em Ribeirão Preto desde 2014 e é executado pela Associação de Judô Corpore Sano, uma das principais academias da modalidade do estado de São Paulo e do Brasil.

Coordenado pelo Sensei Cleber do Carmo, professor Kodansha 6º Dan, o Rumo ao Pódio tem como objetivo formar atletas para competições de alto rendimento. Participam do projeto judocas com idade a partir dos 7 anos até a classe veterana. Ao todo, mais de 240 atletas já foram atendidos pelo Rumo ao Pódio, quem também conta com o apoio da Secretaria de Esportes de Ribeirão Preto.

Executado através da Lei Federal do Incentivo ao Esporte, ao longo dos anos, o RP já contou com o aporte de mais de 41 empresas e captação de R$ 1.2 milhão.

Vice-campeão mundial como atleta, Cleber do Carmo afirma que poder tocar projetos que mantém sonhos vivos é tão gratificante quanto as conquistas que teve no seu tempo de competidor.

“Eu tive uma carreira com muitas conquistas no judô. Dedico minha vida a essa modalidade. Competi, ensinei e hoje posso manter vivo o sonho de muitos jovens que amam e querem crescer dentro do esporte. O Rumo ao Pódio é isso, um projeto que alimenta e prepara talentos para o judô brasileiro”, afirmou Do Carmo.

“É um sonho que começou lá atrás e hoje são 28 cidades fomentando judô. Inicialmente no estado de São Paulo, agora em Minas Gerais e grande perspectiva de crescer mais. Hoje somos referência em gestão esportiva e projetos sociais. Ao longo desses anos, em todos os nossos projetos, já são mais de 20 mil jovens fazendo judô nesses sete anos em que estamos trabalhando com projetos. Isso é muito gratificante”, completou.

Participam do projeto judocas com idade a partir dos 7 anos até a classe veterana Foto: Divulgação

Da Corpore Sano para o Mundo

A contribuição de Cleber do Carmo e da Corpore Sano para o esporte brasileiro pode ser exemplificada pela judoca Sibila Mariana Faccholli, 26 anos. Formada na Corpore Sano e pelo Sensei Do Carmo, Sibila trilhou uma grande carreira na modalidade, defendeu equipes renomadas e colecionou títulos.

“Quem me levou para o judô e me formou foi o Sensei Cleber. Consegui chegar aonde cheguei com muito custo, muita dificuldade. Minha mãe tinha de pagar as viagens, inscrições. Hoje o Rumo ao Pódio proporciona tudo isso para os atletas. Para quem quer ser profissional e seguir carreira, é um suporte fundamental”, revelou Sibila.

“Quando estava na Corpore Sano ganhei vários títulos, Campeonato Paulista, Pan-Americano e cheguei à seleção brasileira. Conquistei tudo isso com o suporte da Corpore Sano. O Projeto é uma iniciativa muito boa e que promete revelar muitos talentos. A seriedade que eles têm com o trabalho é essencial para que tudo funcione perfeitamente”, concluiu.

Para do Carmo, o caso de Sibila é emocionante. Porém, saber que tantas outras crianças e adolescentes tiveram sua educação moldada através dos projetos da Corpore Sano também é.

“A Sibila é uma grande atleta. Identificamos o talento dela desde muito cedo. Tudo o que ela conquistou é fruto de trabalho e dedicação. Hoje nossa estrutura permite que jovens talentos sejam moldados. Temos projetos que atendem crianças de 4 a 12 anos, uma espécie de categoria de base, e depois o Rumo ao Pódio, que é a inserção desse atleta no alto rendimento. Dessa forma, conseguimos moldar futuros judocas, mas, principalmente, grandes cidadãos”, afirmou Do Carmo.

Lei de Incentivo

A Lei nº 11.438/06, ou Lei de Incentivo ao Esporte (LIE), como é mais conhecida, permite que recursos provenientes de renúncia fiscal sejam aplicados em projetos das diversas manifestações esportivas e paradesportivas. Pelas regras atuais, pessoas físicas podem designar 6% do que pagam em Imposto de Renda e pessoas jurídicas podem indicar até 1% do saldo devedor para aplicar em projetos chancelados pelo Ministério da Cidadania.

Desde 2007, a Lei de Incentivo teve mais de 17,5 mil projetos protocolados, entre os de participação, de rendimento e educacionais. São mais de R$ 2,8 bilhões captados. Atualmente, há 253 projetos em execução no país com chancela do Governo Federal.

Nenhuma postagem para exibir