Professor da USP é premiado em congresso científico mundial de Artes Marciais

Cristiano Roque Antunes Barreira da Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto recebeu o prêmio de melhor apresentação oral com trabalho sobre a fenomenologia da Arte Marcial

Foto: Jornal da USP

O professor Cristiano Roque Antunes Barreira, da Escola de Educação Física e Esporte de Ribeirão Preto (EEFERP) – USP, foi premiado no 2º Congresso Científico Global de Artes Marciais e Cultura (GSMACC) e na 9ª Conferência da Sociedade Científica Internacional de Artes Marciais e Esportes de Combate (IMACSSS) de 2020. O trabalho “Reconceitualizando as Artes Marciais – A teoria do Fenômeno Artes Marciais (TMAP) e das manifestações de luta como Patrimônio Cultural Imaterial” recebeu a premiação especial de melhor apresentação oral.

Cristiano Roque Antunes Barreira – Foto: EEFERP/USP

A conferência da IMACSSS, onde Barreira foi premiado, acontece regularmente em diferentes países, reunindo pesquisadores de todo o mundo. Desta vez a conferência foi on-line e teve sede na Malásia, fundindo-se com o 2º GSMACC. Ocorreu de 10 a 12 de outubro de 2020 e teve como tema “O futuro dos esportes de combate e artes marciais por meio da diversidade cultural, do avanço científico e do profissionalismo na governança”.

Em sua apresentação, Barreira, que também é psicólogo do esporte, fala como os conceitos sobre as Artes Marciais são vagos, o que traz incompreensão a respeito do assunto, de seu significado e de suas práticas. O professor mostra vídeos de algumas modalidades esportivas, de um desafio de rua entre dois brasileiros e também de um assalto criminoso, onde há situação de intimidação. Assim, analisando as Artes Marciais como um fenômeno que não é equivalente a todo tipo de combate, o professor indica as interações entre os oponentes e a linguagem corporal existente em cada situação combativa.

Em sua apresentação, Barreira  também argumenta que nas Artes Marciais “o que pode parecer representações teatrais, são simulações que pressionam o praticante a agir com perícia técnica, postura psicológica e preparo físico” e corresponde “a um teste e um exercício de luta sob certas circunstâncias”.

Barreira afirma que a luta é um momento de exposição física e moral, onde são necessários desenvolvimento psicológico e de habilidades ao lutador, componentes que, como sua ética, não são dispensáveis à Arte Marcial. “No estudo da Arte Marcial, a estrutura intencional da luta corporal é sua matéria-prima.”

Para Barreira, o que premiou seu trabalho foi a “análise transcultural das artes marciais”, mostrando as diferentes formas de combate a partir de “elementos intencionais” que o estudo do fenômeno permite examinar, e que não são particulares a determinado país ou região, de uma Arte Marcial ou modalidade esportiva específica. Dessa maneira, ao comparar as “diferentes formas de manifestação sobre as práticas de combate”, é possível desencadear um “diálogo intercultural mais rico”, ao passo que também permite identificar a importância de valores culturais das artes marciais em cada região.

Os encontros internacionais foram presididos pelo professor Mohamad Nizam Mohamed Shapie e organizados em conjunto pela International Martial Arts & Combat Sports Scientific Society, Seni Gayung Fatani Malaysia Association e Faculty of Sports Science & Recreation, Universiti Teknologi MARA, Malaysia.

Nenhuma postagem para exibir