Supera Parque divulga mapeamento completo do ecossistema empreendedor de Ribeirão Preto

Estudo identificou principais atores do ecossistema de inovação; foram listados veículos de comunicação, entidades governamentais, instituições de ensino, entre outros

O Supera Parque de Inovação e Tecnologia disponibilizou a versão completa do Mapeamento do Ecossistema de Empreendedorismo e Inovação de Ribeirão Preto. O estudo apresenta o landscape de startups e os principais atores do ecossistema de inovação, como entidades governamentais, veículos de comunicação, instituições de ensino, entre outros. O arquivo para download está disponível no site www.superaparque.com.br.

Denise Arruda, pesquisadora do Núcleo, explica que o objetivo foi identificar os principais atores do ecossistema de inovação da cidade, entender suas contribuições e ações para, posteriormente fomentar conexões entre eles. “Em uma visão mais prática, a inovação pode ser entendida como a implementação efetiva de novas ideias num determinado contexto, de forma que ela se consolida por meio de uma ação conjunta entre diferentes atores. Neste contexto, o ecossistema de inovação é a relação de colaboração entre esses atores, em termos de empreendedorismo e inovação, para criação e desenvolvimento de novos produtos, tecnologias e negócios”, explica.

Além das startups, já identificadas na versão preliminar lançado no evento Inova Ribeirão, o mapeamento listou outras entidades que fazem parte do ecossistema. “Identificamos, por exemplo, órgãos governamentais, centros de pesquisas e serviços tecnológicos, habitats de inovação, veículos de comunicação, instituições de ensino, entre outros”, explica Denise.

Metodologia

Para o mapeamento das startups, o estudo levou em consideração informações de agências de fomento, estudos e relatórios, bases abertas e portfólios de incubadoras. “Mapeamos também startups que participaram de programas de aceleração, bancos de startups, premiações, portais de negócios. Fizemos uma publicação no evento Inova Ribeirão, que aconteceu em julho deste ano, para que startups que não estivessem em nosso mapa, pudessem se cadastrar”, diz.

Das 225 startups, 181 foram classificadas de acordo com os seguintes critérios: ter um site ativo, ser de base tecnológica, ter tempo de vida inferior a 10 anos e produto e/ou serviço escalável. Os dados foram registrados e consolidados em uma base de dados, por área de atuação, categorização e análise.

Principais resultados

O Mapeamento do Ecossistema de Empreendedorismo e Inovação de Ribeirão Preto revela a distribuição das áreas de atuação estão em desenvolvimento. Denise Arruda enfatiza que Ribeirão Preto esteve sempre muito voltado para a área da saúde e TI, mas que existe uma mudança significa nos últimos anos, principalmente em setores como o agronegócio e a educação.

Hoje, Ribeirão Preto conta com 181 startups ativas. Cerca de 30% são da área de Tecnologia da Informação e 25% em saúde. “As demais atuam em marketing e varejo, educação, agronegócio, finanças e biotecnologia. Conhecer quais as áreas de atuação dessas empresas é importante para pensar em novas políticas de incentivo para o desenvolvimento dos setores, atraindo e gerando novos negócios para as empresas e para a cidade”, diz.

A cidade, que se destaca como ambiente propício para o desenvolvimento de negócios de base tecnológica, conta com mais de 50 programas de pós-graduação, é sede da Universidade de São Paulo, do Supera Parque de Inovação e Tecnologia, de duas aceleradoras de empresa – o Sevna Startups e a Pluris Aceleradora, e conta ainda com um capítulo do Founder Institute.

“É importante esclarecer que esta é uma primeira edição de um estudo, que é dinâmico e que será atualizado e publicado anualmente. Caso alguma startup ou instituição não esteja nesta primeira edição, é possível efetuar um cadastro para inclusão nos próximos estudos. Pretendemos a cada ano identificar mais atores, incluir as entidades que se cadastrarem e mapear conexões”, finaliza a pesquisadora.