A Feira FENASUCRO & AGROCANA espera visitantes estrangeiros para rodadas de negócios de investimentos

Encontros nacionais e internacionais reunirão 60 empresas brasileiras, 20 convidados internacionais e mais de 200 fornecedores entre os dias 21 e 24 de agosto, em Sertãozinho (SP)

Cenário efetivo de negócios do setor sucroenergético, reunindo em um só lugar compradores e fornecedores em Sertãozinho/SP, a 26ª FENASUCRO & AGROCANA confirma 60 empresas nacionais, 20 convidados internacionais e mais de 200 fornecedores nas Rodadas Nacionais e Internacionais de Negócios entre os dias 21 e 24 de agosto, no Centro de Eventos Zanini. A feira é a maior do mundo do segmento e nesta edição espera, no total, movimentar financeiramente R$ 4 bilhões.

Considerando apenas a rodada nacional, a expectativa é movimentar R$ 13 milhões. Para elas, já estão confirmadas as participações de 200 fornecedores. A novidade deste ano é a rodada criada especialmente para o público agrícola do evento. “Com toda a expectativa sobre o setor sucroenergético, criamos esta rodada específica, muito por conta da necessidade de investimento nos canaviais diante da nova política nacional de biocombustíveis”, explica o diretor da feira, Paulo Montabone.

As rodadas nacionais serão realizadas nos dias 22 e 23 (quarta e quinta-feira), no período da manhã da feira, com reuniões pré-agendadas de 15 minutos cada. Ao menos 20 reuniões devem ser realizadas.

Já as rodadas internacionais do Projeto Brazil Sugarcane Bioenergy Solution – parceria entre o Arranjo Produtivo Local do Álcool (Apla) e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) – realizarão encontros de negócios com a participação de 60 empresas brasileiras e 20 convidados internacionais, nos quatro dias de feira.

Os compradores virão de países como Argentina, África do Sul, Belize, Cuba, Costa Rica, Equador, Guatemala e Peru. A delegação do Sudão, por exemplo, vem com alto poder de compra para a compra de produtos voltados à montagem de usinas. “As expectativas são as melhores possíveis. A taxa do dólar está favorável para a exportação. Mesmo com o preço do açúcar em baixa no mercado internacional, os grupos açucareiros estrangeiros continuam com projetos de expansão e ampliação das exportações”, afirma o diretor executivo do APLA/APLEX, Flávio Castellari.

Durante o período da FENASUCRO, representantes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e do Banco do Brasil estarão no espaço de negócios para dar suporte às empresas brasileiras. No ano passado, as rodadas internacionais tiveram a participação de 60 empresas brasileiras, 38 representantes internacionais e foram geradas 626 reuniões. Durante a feira foram registrados US$ 300 milhões em expectativas de negócios.

Na ação comercial do Projeto Brazil Sugarcane também serão realizadas visitas técnicas na região de Ribeirão Preto. Os visitantes internacionais conhecerão as instalações de usina produtora de açúcar e etanol e ainda visitarão um centro de pesquisas em cana-de-açúcar.