Garota desaparecida é encontrada esquartejada em Araraquara

Suspeito, que é menor de idade, levou policiais aos locais onde partes do corpo foram encontrados na periferia da cidade e dentro da própria residência

O suspeito que confessou, preliminarmente, o assassinato e esquartejamento da adolescente Yasmin da Silva Nery, 16, na noite de domingo (10), espalhou partes do corpo da vítima em locais diferentes, na tentativa de ocultar o crime.

Ele tem 17 anos e o motivo ainda não foi revelado pela Polícia Civil de Araraquara.
A execução da garota foi consumada com requintes de crueldade.
Partes do cadáver foram escondidas em um carrinho de lanches, dentro da residência do suspeito, na Rua Carlos Francisco Martins, Jardim das Hortênsia, zona Leste da cidade.
A mãe do “infrator”, que mora no mesmo local, afirmou aos policiais que não notou nada suspeito, nem percebeu mudanças significativas no comportamento dele.
Os membros inferiores e superiores da jovem foram levados até um córrego nas proximidades da residência, no mesmo bairro.
O menor foi até o local, acompanhado por delegado e investigadores.

Diligências também foram intensificadas em uma mata no bairro Quitandinha, onde fica a moradia da UNESP,  distante do lugar onde teria ocorrido o crime brutal.
As investigações ainda não revelaram se o investigado teve ajuda para matar a adolescente e esconder o corpo.
Familiares da garota revelaram que ela e o suspeito se conheceram na sexta-feira (7), em um show, e marcaram encontro para o final de semana.
Parentes próximos da vítima, que era comportada, não conheciam o menor.
Recentemente, a jovem ganhou uma bolsa integral para continuar os estudos em uma escola particular de Araraquara.

O desaparecimento

Yasmin da Silva Nery, 16,  estava desaparecida desde a tarde do domingo (9).
Ela sumiu após ter saído de casa por volta das 16 horas, dizendo que iria com um amigo ao SESC.
Preocupados com o adiantado da hora,  familiares entraram em contato com o garoto, que negou que estivesse com ela.
Foram várias tentativas de contato por telefone, porém sem sucesso.
O Boletim de Ocorrência sobre o desaparecimento foi registrado na manhã desta segunda-feira (10).

O suspeito de cometer o crime  foi apontado pelo pai de Yasmin, que apresentou à Polícia a conversa que manteve com o menor via aplicativo de mensagens.
Detido, foi levado para a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Araraquara e depois de prestar depoimento, transferido  para uma unidade da Fundação Casa, entidade que abriga menores infratores.

Yasmin nasceu em Ribeirão Preto.