Especial Thathi: Entenda a greve dos caminhoneiros

Entenda como a greve dos caminhoneiros começou

Após vários aumentos no preço do diesel, a Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos, a CNTA, apresentou um ofício para o Governo Federal solicitando o congelamento do preço do diesel e a abertura para negociações no último dia 16 de maio.

O ofício apresentado, não obteve uma resposta do Governo Federal. Sem  resposta a CNTA fez um comunicado público ameaçando a paralização dos caminhões a partir da última segunda feira, dia 21 de maio, nesse mesmo dia a Petrobras anunciou um aumento de 0,9% no preço do diesel nas refinarias . Sem diálogo e com o preços e, alta, os caminhoneiros resolveram parar os caminhões, dando início a greve.

E por que os preços aumentaram tanto?

Após várias formas do governo determinar como o valor seria reajustado, a política atual adotada pela Petrobrás determina que o preço dos combustíveis esteja atrelado ao preço do barril de petróleo no mercado internacional e ao dólar.  Isso faz com que o valor dos combustíveis derivados de petróleo variem diariamente e como o dólar e o barril de petróleo tem se valorizado nos últimos meses, o aumento de preços é refletido no valor final do combustível. O resultado disso foram 121 aumentos nos preços do diesel desde junho de 2017, uma alta de mais de 56%

A principal exigência dos caminhoneiros é a redução dos preços do diesel, alterações dos impostos que incidem sobre o combustível e que o governo estabeleça uma nova regra de reajuste.

As consequências da paralisação dos caminhoneiros são a falta de reabastecimento de combustíveis e alimentos, com isso, várias cidades do país tiveram linhas de ônibus suspensas, como  em Ribeirão Preto. E o estoque de produtos perecíveis dos supermercados correm riscos, algumas lojas até estabeleceram um limite de produtos vendidos por consumidor.