MARP promove exposição de fotos e lançamento de livro do fotógrafo e escritor, Ithamar Vugman

    Continua depois da publicidade

    No próximo dia 7 de junho o MARP – Museu de Arte de Ribeirão Preto abre as portas para uma exposição de fotos de valor genuíno, denominada “Imersões”. A exposição reúne dezoito trabalhos do professor aposentado da USP, Ithamar Vugman, que descobriu a própria linguagem da fotografia ainda jovem quando o mundo microscópico instigante das suas próprias pesquisas começou a revelar formas, cores e luminosidades dos fenômenos biológicos estudados.
    Com o tempo, aquilo que era instrumento de pesquisa tornou-se também obra de arte pelas lentes do professor e pesquisador. Ithamar Vugman agregou às fotos a percepção de seus próprios sentimentos e com a ajuda da psicanálise desbloqueou as barreiras entre as duas linguagens; Arte e ciência.
    “A busca pelo autoconhecimento não é uma tarefa simples. Hoje, aos 91 anos de idade, com menos de 5% de visão, fiz grandes descobertas pessoais com a psicanálise e também com as aulas de teatro com professores maravilhosos; Magno Bucci e José Maurício Cagno. Digo que sou um ser em constante mutação e isso cabe direitinho dentro das artes”, filosofa o fotógrafo e escritor, Ithamar Vugman.
    Sob a curadoria do Diretor do MARP, Nilton Campos, edição, tratamento e impressão do também fotógrafo, Thór Crespi Amêndola, a exposição, Imersões, causa espanto para quem se depara frente às imagens enigmáticas de universos tão pouco conhecidos. A probabilidade do público ficar horas para desvendar tanta beleza, é imensa.

    Croniketas

    Escrivinhador é como se auto define, Ithamar Vugman, que na mesma noite lança o livro com 33 crônicas, denominado, Croniketas.
    A publicação de responsabilidade da FUNPEC Editora é o segundo livro do autor que afirma gostar de brincar com as palavras e que deixa a cabeça solta para liberar a caneta. “Aprendi de orelhada, inicialmente descobri o ofício de leitor e passei a escrevinhador e hoje, aos 91 anos de idade a percepção da finitude da vida é um desafio angustiante e o tempo, o fator mais importante, deve ser usado na construção da arte que me proponho”, conclui Vugman.
    Segue trecho da crônica, “Perdas e ganhos”
    “Perda da visão. Visão limitada do mundo externo não limita a visão do mundo interno. Opto continuar vivendo a vida em toda sua plenitude”.

    Serviço
    Abertura da Exposição Imersões
    Lançamento do Livro, Croniketas
    Local
    MARP – Museu de Arte de Ribeirão Preto
    Rua Barão do Amazonas, 323 – Centro
    Horário
    20h30