Escritora da região é referência no mundo com literatura infantil sobre igualdade racial

Natural de São Joaquim da Barra, Isabel Cintra começou a sua paixão pelo português ainda criança e hoje é autora de dois contos de fadas com protagonistas negros, lançados nos EUA

Isabel Cintra, autora dos títulos “A Princesa e o Espelho” e “O Pequeno Grande Alfaiate” Foto: Reprodução

“Toda criança negra pode ser protagonista de qualquer história”. Foi assim que a escritora brasileira Isabel Cintra, autora dos títulos “A Princesa e o Espelho” e “O Pequeno Grande Alfaiate”, respondeu sobre a importância de criar dois contos de fadas com protagonistas negros e tramas que exaltam o poder da diversidade.

A escritora já tem reconhecimento internacional e seus livros foram lançados primeiro nos Estados Unidos, mas já chegaram ao Brasil. Isabel é natural de São Joaquim da Barra, na região de Franca. Inclusive, enquanto ainda era criança na cidade de 50 mil habitantes, ela começou a sua paixão pelo português. Hoje ela vive em Estocolmo (Suécia).

Mesmo sem a mãe ou o pai terem o costume de ler para ela, por ambos trabalharem fora, a escritora mergulhava nos livros que encontrava na biblioteca da escola que estudava e aproveitava o incentivo que recebia nas aulas de redação, aos 12 anos.

“Minha professora de português elogiava muito minhas redações e talvez esse era um motivo de eu caprichar muito quando fosse levá-las para correção. Era também o momento que ela pedia para que eu lesse o meu texto na frente de toda a classe. Isso me enchia de orgulho e fazia com que eu me sentisse importante”, lembra a escritora.

O irmão dela, Zeka Cintra, é quem ilustra os livros. “Costumo dizer e sempre vou repetir que é uma benção poder crescer ao lado de alguém que sempre teve tanta confidência comigo. Teve até uma época que ele desenhava e eu fazia balões de conversas nos desenhos dele – ele ficava muito bravo, mas depois achava que fazia algum sentido o que eu havia escrito ali”, recorda a escritora.

Isabel também conta que Zeka desenha desde os cinco anos e isso sempre surpreendeu quem estava no seu entorno. Hoje, ao poder trabalhar com ele, a escritora diz que é como o famoso ditado da panela que encontrou a tampa que se encaixa perfeitamente.

Livros

“Os contos de fadas são especiais, clássicos e os mais famosos são nórdicos. Tudo isso contribui para que se veja com naturalidade os personagens brancos, só que a própria história diz que na África sempre houveram reis e rainhas. E, por isso, eu vejo com um certo incômodo o fato de não existir personagens negros neste gênero da literatura infantil tão especial”, relata Isabel.

Coragem e resiliência

Com este desconforto no peito e a consciência da importância da leitura na rotina das crianças, inclusive por ser mãe de Kristina (9) e Caroline (7), a escritora deu vida à Akim, em “O Pequeno Grande Alfaiate”. Na história narrada em 45 páginas, o público conhece a vida do pequeno e do seu pai que construíram sua casa em uma humilde aldeia que circunda o castelo do Rei Raidar.

Os dias dos dois seguiam pacatos e difíceis, até que foram surpreendidos por uma oportunidade única que seria capaz de mudar o percurso de suas trajetórias. Mesmo sem spoilers e deixando o suspense no ar, a própria autora já adianta o que esperar da trama: “O Akim é um menino que é um herói, em que através das dificuldades que ele enfrenta com o pai, mostra que é preciso coragem, resiliência e muita sabedoria para atingir seus objetivos e ultrapassar estes empecilhos”.

Já em “A Princesa e o Espelho”, Isabel fala sobre beleza e os padrões estéticos que rondam até mesmo os menores, em especial as meninas. Para isso, ela criou a rainha Indira, que é bastante vaidosa e, ao engravidar, tem o desejo de que o seu filho seja o mais bonito entre todas as crianças.

“Neste momento, entra a fada Jesuína que faz um contraponto em relação a este desejo e, a partir daí, a narrativa segue um curso em que ela precisará decidir se realmente vale a pena essa vontade. Tudo isso é dito para trazer a lição às pessoas que não existe um padrão de beleza definido. Todas as crianças possuem sua beleza natural!”, defende Isabel.

Fonte: F3 Notícias, com site Terra

Nenhuma postagem para exibir