Dia da Cerveja: Ribeirão Preto é um dos principais polos de fabricação da bebida artesanal

Há 1,4 cervejaria para cada 100 mil habitantes e são produzidos 2,1 milhões de litros por ano e 81 estilos diferentes

Foto: Pixabay

Nesta sexta-feira (2), é comemorado o dia internacional da cerveja. A data foi criada em 2007 na Califórnia e é celebrada sempre na primeira sexta do mês de agosto em mais 50 países. A bebida é a terceira popular do mundo, perdendo apenas para a água e o café e a alcoólica mais consumida.

Continua depois da publicidade

A última década foi marcada pela consolidação do Brasil como um dos principais mercados do setor cervejeiro mundial junto com o surgimento de diversas microcervejarias, que oferecem produtos artesanais e diferenciados. Ribeirão Preto é uma das cidades que tem uma forte concentração de cervejarias.

A história começou em 1886, quando Bertoldi firmou sociedade com Salvatore Livi e fundaram uma fábrica de cerveja de alta fermentação, conhecida como a primeira associação entre Ribeirão Preto e cerveja. De acordo com o Polo Cervejeiro, associação que promove a cultura cervejeira na cidade, dos dois milhões de habitantes em Ribeirão e região, há 1,4 cervejaria para cada 100 mil habitantes e são produzidos 2,1 milhões de litros por ano e 81 estilos diferentes.

Fonte: Polo Cervejeiro

Artesanal

As microcervejarias de Ribeirão e região atraem cada vez mais o público que gosta da cerveja, principalmente com as artesanais. Segundo uma pesquisa divulgada pela Mintel, 60% dos consumidores brasileiros priorizam qualidade à quantidade de cerveja. O engenheiro químico e fundador da Cervejaria Kepler Jean Carlo Ferreira, 45, conta que a artesanal amplia a possibilidade de sabores da bebida alcoólica.

“A cerveja artesanal foge um pouco daquele estilo de cerveja que a gente conheceu até hoje, uma cerveja extremamente leve, clara, translúcida e com o sabor sempre o mesmo, independente das marcas. As cervejas artesanais já são feitas usando bastante a criatividade em vários ingredientes e sabores diferentes. É uma cerveja que foge do estereotipo comum. Independente se ela é feita em casa ou nas microcervejarias, que oferece ao público uma variedade de estilos”, conta Ferreira.

Ainda de acordo com o engenheiro, atualmente há um processo de tratamento da água, que permite deixar a água da maneira que o produtor queira. A região de Ribeirão tem a vantagem de não precisar mexer tanto na química da água por causa do Aquífero Guarani, que oferece uma água de excelente qualidade.

A cerveja é basicamente feita com água de boa qualidade, malte que pode ser de vários tipos, lúpulo que também tem variedades e o fermento. Com a combinação desses ingredientes é possível obter bastante tipos de cerveja. Além do processo de fabricação, é possível com o mesmo ingrediente, a mesma quantidade, mas variando um pouco processo ter processos diferentes.

Os elementos dos estilos são um dos principais pontos da produção artesanal. Guilherme Piotto conta que para ter as características é necessário o uso de um guia. “Cor, aroma, sabor, retenção de espuma, corpo, teor alcoólico. Essa miscelânea de características pode definir o estilo segundo um guia internacionalmente reconhecido como o famoso BJCP, com isso é possível ter uma séria de experiências nos mais diversos estilos, uma projeção geométrica”, fala Piotto.