Pesquisadores usam máscaras descartadas como base para asfalto de ruas e estradas

Pesquisadores da RMIT University, na Austrália, desenvolveram uma fórmula em que utilizam as máscaras de proteção para fazer um material que serve de base para ruas e estradas

xemplo do material produzido usando máscaras descartadas na mistura/Reprodução
Continua depois da publicidade

Por causa da pandemia, estima-se que sejam usadas diariamente 6,8 bilhões de máscaras descartáveis no mundo. Infelizmente, devido ao possível risco de contaminação, essas máscaras são jogadas no lixo – incineradas ou despejadas em aterros sanitários -, já que não podem ser recicladas. Ou melhor, não podiam!

Pesquisadores da RMIT University, na Austrália, desenvolveram uma fórmula em que utilizam as máscaras de proteção para fazer um material que serve de base para ruas e estradas.

Em geral, ruas, estradas e rodovias são compostas por quatro camadas: subleito, base, sub-base e asfalto no topo. Todas as camadas precisam ser robustas e flexíveis para resistir ao peso de veículos e evitar rachaduras.

Os cientistas australianos explicam que o entulho de construção civil processado, conhecido como agregado de concreto reciclado (RCA), ou seja, o material obtido com demolição, pode ser usado sozinho para as três camadas de base do asfalto. Todavia, eles descobriram que poderiam adicionar máscaras faciais trituradas ao RCA – 1% de máscaras para 99% de RCA – e no final do processo, obter um material da mesma qualidade e dessa maneira, minimizar dois problemas ambientais: o descarte de máscaras e de resíduos da construção.

“Este estudo inicial avaliou a viabilidade da reciclagem de máscaras descartáveis em estradas e ficamos entusiasmados ao descobrir que não só funciona, mas também oferece benefícios reais de engenharia”, disse Mohammad Saberian, um dos envolvidos na pesquisa. “Esperamos que isso abra a porta para pesquisas adicionais, para trabalharmos através de maneiras de gerenciar riscos à saúde e segurança em escala e investigar se outros tipos de EPI* também seriam adequados para reciclagem”

A pesquisa dos cientistas da Austrália foi divulgada em um artigo científico na revista Science of the Total Environment

Nenhuma postagem para exibir